Quão perigoso é o México?

Notícias de nove cidadãos americanos mortos em uma emboscada no México e imagens de membros do cartel ao redor da polícia na cidade de Culiacán chamaram a atenção para a violência que vem assolando o México há anos. Mas qual é a sua extensão e qual é o risco de viver ou viajar para lá?

Quão difundido é o perigo e quão arriscado é viver ou viajar no México? Foto: AFP
Quão difundido é o perigo e quão arriscado é viver ou viajar no México? Foto: AFP

Qual é a gravidade da taxa de homicídios?

A taxa de homicídios no México tem aumentado nos últimos meses, mas permanece bem abaixo da de outros países do mundo.

Globalmente, está em 19º lugar na lista dos países com a maior taxa de homicídios intencionais por 100.000 habitantes, de acordo com os dados mais recentes das Nações Unidas.

Com 24,8, a taxa do México é muito inferior à do primeiro país do mundo, El Salvador, onde 61,8 em cada 100 mil pessoas morreram de crimes violentos em 2017.

A situação vem piorando?

Sim, o número de homicídios no México tem aumentado desde 2014. Em 2018, o número de pessoas mortas foi mais de quatro vezes maior do que em 2007. Os números dos primeiros nove meses de 2019 sugerem que este ano o número de homicídios pode superar o do ano passado.

Os governos mexicanos há muito tempo argumentam que a maioria das vítimas tem ligações com gangues criminosas ou de alguma forma se "misturaram" em seus negócios ilegais. Mas com cenas como as da cidade de Culiacán, em outubro, onde os moradores tiveram que se abrigar como um comboio de caminhões fortemente armados do cartel rolou para a cidade, sendo mostrado na TV, mais e mais pessoas estão questionando se eles podem estar em perigo.

Quais são as áreas mais perigosas?

Os estados com as maiores taxas de homicídios são: o pequeno estado ocidental de Colima, no oeste, seguido por Baja California, Chihuahua, no norte, e Guerrero, segundo dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística.

Grande parte da violência está concentrada em focos de crime onde as gangues estão ativas ou lutando pelo território. Há muitas áreas que têm sido relativamente intocadas pela violência. No popular destino turístico de Yucatán, a taxa de homicídios é de apenas 3 por 100 mil pessoas, inferior à da Tailândia.

Os estados de Aguascalientes, Campeche e Coahuila também estão bem abaixo da média nacional e têm taxas de homicídios semelhantes às do Uruguai.

O que está na raiz da violência?

A localização do México na fronteira sul dos EUA significa que há décadas o país é o lar de poderosos grupos criminosos que contrabandeiam cocaína, heroína, maconha e metanfetaminas para o norte dos Estados Unidos, o maior mercado mundial de drogas ilícitas.

Estes grupos não se dedicam apenas ao tráfico de drogas, mas também à extorsão, lavagem de dinheiro, tráfico de seres humanos, contrabando de pessoas e assassinatos por contrato. Algumas são empresas transnacionais que operam até ao sul da Argentina e que têm ramificações na Europa.

Subornam ou infiltram-se frequentemente nas forças de segurança e pagam ou ameaçam os políticos para que fechem os olhos às suas empresas ilegais. Os bandos rivais lutam pelo território e pelo controlo das lucrativas rotas de contrabando e utilizam frequentemente tácticas horríveis, como pendurar corpos em pontes e decapitações para espalhar o terror e o medo.

Embora alguns dos principais líderes dos poderosos cartéis tenham sido presos ou mortos nos últimos anos, o resultado não tem sido uma queda no crime, como as autoridades esperavam. Em vez disso, o vácuo deixado para trás levou a mais batalhas entre gangues rivais e pretendentes beligerantes para as posições de liderança vagas.

O que está o governo a fazer?

Em dezembro de 2006, o então presidente Felipe Calderón lançou uma "guerra contra as drogas", destacando mais de 50 mil soldados e policiais federais. Nos seis anos de sua presidência, o número oficial de pessoas mortas na violência relacionada às drogas foi de 60 mil. Muitos estimam que o número pode ter sido muito maior.

Seu sucessor no cargo, Enrique Peña Nieto, disse inicialmente que iria atacar as raízes da violência, mas sua política se assemelhava muito à de Calderón, indo atrás dos chefes das organizações criminosas mais poderosas.

Seu maior golpe foi a captura do líder do cartel de Sinaloa, Joaquín "El Chapo" Guzmán, em 2016. Mas mesmo após sua extradição para os EUA, o cartel de Sinaloa de Guzmán continua sendo uma força poderosa.

Em outubro, um dos filhos de El Chapo, Ovidio Guzmán López, foi libertado por ordem do governo mexicano depois que os pistoleiros do cartel Sinaloa inundaram a cidade de Culiacán e cercaram as forças de segurança para pressionar pela libertação de seu chefe.

O atual presidente Andrés Manuel López Obrador cumpriu uma promessa de "alcançar a paz e acabar com a guerra" contra as drogas. Ele defendeu a decisão de seu governo de libertar Ovidio Guzmán López, argumentando que a mudança tinha evitado um banho de sangue.

A estratégia do presidente López Obrador de criar uma Guarda Nacional ainda não produziu resultados tangíveis. Poucos se inscreveram para a nova força e aqueles que foram destacados para a fronteira sul para lidar com um enorme fluxo de migrantes vinculados aos EUA.

Seus críticos argumentam que a falta de uma estratégia definida do presidente para combater grupos criminosos levou a um aumento adicional da violência. Eles dizem que, embora a libertação do filho de El Chapo possa ter salvado vidas no dia, criou um precedente perigoso e levará os cartéis a flexionar ainda mais seus músculos.

Fonte: BBC

Publicações recomendadas