Grama marinha, entre as riquezas florestais do México

31-10-2020

A riqueza florestal do México vai além dos limites do maciço continental e se estende sob o mar em pradarias marinhas, ecossistemas que estão não apenas entre os mais ameaçados do planeta, mas também entre os mais ignorados. Entretanto, eles poderiam ter um futuro promissor devido à sua enorme capacidade de absorver carbono, um poderoso gás de efeito estufa que contribui para o aquecimento global e a acidificação dos oceanos.

As ervas marinhas capturam mais carbono azul do que as florestas tropicais. Imagem: Ministério do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais
As ervas marinhas capturam mais carbono azul do que as florestas tropicais. Imagem: Ministério do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais

Estas plantas com floração subaquática formam prados densos em áreas rasas ao longo da costa. Suas folhas longas, estreitas e verdes são habitat temporário e permanente para uma variedade de peixes, tartarugas, estrelas do mar, camarões, pepinos, anêmonas, algas epífitas, caranguejos, ouriços-do-mar e caramujos, e formam a base de teias alimentares em outros ambientes estuarinos e costeiros, como peixes-boi, tartarugas e gansos de coleira.

Dos 12 gêneros de gramíneas marinhas existentes no mundo, o México tem 6. De 49 espécies, o país tem 9, tais como gramíneas de tartaruga e peixe-boi e capim estrela. Existem 19 sítios prioritários de gramíneas marinhas para sua restauração e conformação, entre eles 16 áreas naturais protegidas, a saber:

Parque Nacional Sistema Arrecifal Veracruzano e Reserva de la Biósfera Los Tuxtlas (Veracruz); parques nacionais Arrecifes de Cozumel e Arrecifes de Xcalak, e as Reservas da Biosfera Banco Chinchorro e Sian Ka'an (Quintana Roo); Los Petenes (Campeche), Ría Celestún e Ría Lagartos (Yucatán), Isla Guadalupe (Baja California) e El Vizcaíno e Complejo Lagunar Ojo de Liebre (Baja California Sur).

Os serviços ambientais prestados por estes ecossistemas são de enorme relevância: reduzem o impacto das ondas ao diminuir as correntes; aumentam a sedimentação, produzem oxigênio e limpam mares e oceanos ao absorver nutrientes poluentes que viajam da terra para o mar; suas raízes e rizomas estabilizam o substrato do fundo do mar, e também evitam a erosão costeira.

Mas a função mais importante das ervas marinhas é capturar 10% do carbono armazenado nos oceanos, razão pela qual são chamadas de "carbono azul". Mesmo ocupando apenas 0,2% do fundo marinho mundial, elas retêm carbono da atmosfera até 35 vezes mais rápido do que as florestas tropicais.

Entretanto, estas pastagens subaquáticas estão desaparecendo da costa do México como resultado do desmatamento e mudança no uso da terra nas partes superiores das bacias, causando uma quantidade muito grande de matéria orgânica e sedimentos em suspensão que aumenta a turbidez da água e reduz o desenvolvimento das pastagens. Mas outras causas são acrescentadas. Nos últimos 17 anos, o México perdeu mais de 100.000 hectares de gramíneas marinhas devido à mudança climática.

Centenas de milhares de hectares de capim marinho foram extintos no país, dos quais 35% estão concentrados na Península de Yucatan, e essa perda se deve à chegada maciça de sargassum ao Caribe mexicano desde 2015, pois quando as macroalgas se decompõem, geram lixiviados, que reduzem o oxigênio, alteram a composição química do mar e tingem a água com café, o que impede a entrada da luz solar.

O Boletim de Poluição Marinha, citado pelo portal ambiental.com.mx, avaliou quatro locais: Nizuc, Xcalak, Xahuayxol e Puerto Morelos, em Quintana Roo, e determinou que neste último, um ano após a chegada do sargassum, 5.700 metros quadrados de grama marinha haviam sido perdidos. Isto representa a liberação do carbono azul armazenado durante centenas de anos, porque quando essas pastagens morreram, deixaram de ser seqüestradores e se tornaram emissores de dióxido de carbono.

Muito menores que as florestas, os sumidouros de carbono, entre os quais se destacam as ervas marinhas, seqüestram o carbono a um ritmo mais rápido e podem mantê-lo preso por milhões de anos, de acordo com a Administração Nacional Oceânica e Atmosférica dos Estados Unidos, citada pela Fundação Aquae.

O Painel Intergovernamental sobre Mudança Climática diz que mangues, pântanos e ervas marinhas podem armazenar até 1.000 toneladas de carbono por hectare, muito mais do que a maioria dos ecossistemas terrestres.

Até agora, apenas 10 dos 159 países que possuem gramíneas marinhas em todo o mundo as incluíram em seus compromissos com o Acordo de Paris para mitigar e se adaptar às mudanças climáticas. Embora o mundo não tenha a experiência de longo prazo de reflorestamento marinho, ao contrário de muitos séculos de experiência florestal em terra, é melhor conservar o que já temos, sempre que possível.