Os dois planos para assassinar o Trotsky

No final dos anos 30, os serviços secretos soviéticos receberam ordens para eliminar Trotsky. O maior inimigo de Estaline foi alvo de dois ataques. O segundo seria bem sucedido.

Leon Trotsky, no centro, com admiradores no México pouco antes de seu assassinato. (Domínio Público)
Leon Trotsky, no centro, com admiradores no México pouco antes de seu assassinato. (Domínio Público)

Em 1939, quando começou a trama do assassinato do revolucionário Lev Davidovich Bronstein, mais conhecido como Leon Trotsky, ele tinha 61 anos e vivia no México, ameaçado de morte pela longa mão dos serviços secretos de Estaline. Pouco restou do trotsky que forjou o Exército Vermelho e foi o líder da insurreição bolchevique que assaltou o Palácio de Inverno em 1917.

No exílio, ele mal manteve uma sombra do poder do antigo, embora seu prestígio e orientação continuassem a ser indiscutíveis para os seguidores de sua doutrina espalhados por todo o mundo. A desconfiança entre Trotsky e Estaline veio de longe, dos primeiros tempos do triunfo bolchevique, e acentuou-se nos últimos anos da vida de Lenine.

Quando Lenine morreu em 1924, Estaline assumiu a maquinaria do poder e encurralou politicamente Trotsky. Expulsou-o do Partido Comunista e forçou-o a deixar a URSS para lhe salvar a vida. A antipatia entre os dois homens acabou por apodrecer num conflito pessoal e político que já não deixava espaço para qualquer tipo de compromisso.

A conspiração é tecida

No final da década de 1930, os serviços do NKVD (Comissariado Popular para os Assuntos Internos, precursor do KGB), liderado por Laurenti Beria, receberam ordens para se concentrarem na eliminação dos líderes trotskistas, incluindo, evidentemente, o próprio Trotsky.

Chegou ao México em 1937 graças ao asilo político que lhe foi concedido pelo presidente Lázaro Cárdenas. Anteriormente ele tinha sido um refugiado na Turquia, França e Noruega, países que o consideravam um convidado muito problemático e fizeram o seu melhor para mantê-lo afastado.

Uma força secreta iria ao México para assassinar Trotsky. A operação teria o nome de código UTKA

Os planos para pôr fim a Trotsky, que continuava a fantasiar sobre milhões de revolucionários que o seguiam para "invadir o céu e a terra", receberam um novo impulso em março de 1939, com a nomeação de Pavel Sudoplatov como chefe de operações especiais da Inteligência Externa Soviética. Na presença de Beria, o novo chefe da eliminação dos "inimigos do povo" recebeu ordens directas de Estaline.

A sua missão prioritária seria enviar uma força secreta ao México para assassinar o Trotsky. A operação teria o nome de código UTKA. Sudoplatov não perdeu tempo. Ele organizou uma força especial de comunistas mexicanos e espanhóis colaborando com o NKVD durante a Guerra Civil Espanhola, que ele colocou sob a supervisão de Nahum (Leonidas) Alexandrovich Eitingon.

Eitingon era um personagem com grande experiência na eliminação de trotskistas e anarquistas na Espanha, que haviam participado do concurso sob o falso nome de "General Kotov". Na península, ele se tornou um amante do Barcelona comunista Charity Merchant of the River, que ele recrutou para o NKVD, e através dele ele capturou seu filho, Ramon Merchant.

A força especial de Sudoplatov consistia em três grupos. Nas primeiras estavam Charity e Ramon. O segundo foi dirigido pelo pintor mexicano David Alfaro Siqueiros, que ficou atrás de um de seus discípulos, Antonio Pujol. O terceiro grupo foi enviado pelo agente soviético Iosif Romualdovich Grigulevich, de origem judaica lituana e liquidatário ativo de opositores na Espanha, que participou diretamente do assassinato do líder trotskista catalão Andreu Nin, e teve a ajuda da comunista mexicana Laura Araujo Aguilar, sua futura esposa.

Os três grupos agiram de forma independente e não se conheciam. O custo da operação foi estimado em meio milhão de dólares.

Uma primeira tentativa

A primeira tentativa de eliminação foi feita pelo grupo liderado pela Siqueiros. Ele atirou na aldeia de Coyoacán, nos arredores da Cidade do México, de propriedade do artista mexicano Diego Rivera, onde Trotski residia com sua esposa. O revolucionário estava sob vigilância apertada do NKVD desde sua chegada ao México. Sua residência era uma fortaleza defendida por cercas, cabos eletrificados, alarmes automáticos e uma guarda permanente da polícia trotskista e voluntários.

Chegada a Petrogrado em Maio de 1917. (Domínio Público)
Chegada a Petrogrado em Maio de 1917. (Domínio Público)

Um elemento fundamental para a realização desse plano foi o recrutamento, em abril de 1940, de um jovem americano, Robert Sheldon Harte, que serviu como vigia de aldeia. Sua tarefa era abrir o portão de entrada da residência por dentro quando o grupo atacante começou o assalto no meio da noite.

Eitingon não participou nessa acção. De acordo com os arquivos do KGB, o verdadeiro líder do assalto à sombra foi Grigulevich, que, além de controlar a operação, teve de assegurar a entrada dos assaltantes dos Siqueiros na aldeia.

O grupo tinha um plano do lugar obtido furtivamente por um dos melhores agentes da Inteligência Soviética, a espanhola María de la Sierra, que também havia participado da Guerra Civil e cujo nome real era África de las Heras. Ela tinha trabalhado como secretária de Trotsky na Noruega e, em seguida, seguiu-o para o México, mas teve de ser transferido subitamente para Moscou porque a deserção de Alexander Orlov, que tinha sido chefe do NKVD na Espanha e a conhecia, poderia descobrir o enredo.

Pouco depois de sua chegada aos EUA, Orlov tinha escrito a Trotsky avisando-o de que havia um plano em vigor para assassiná-lo e aconselhando-o a não confiar em ninguém que o visitasse da Espanha.

Em princípio, tudo correu como planeado. Na noite de 23 de maio, Siqueiros e um grupo de cerca de vinte homens armados, disfarçados com uniformes da polícia e do exército, chegaram à aldeia de Coyoacán por volta das 3:30 da manhã.

Grigulevich falou com Sheldon, que não sabia como o ataque ia acontecer, e entreabriu a porta. A partir daí, tudo se desenrola como um filme de gangsters. Os pistoleiros invadem a residência. À medida que avançam, lançam uma bomba incendiária no quarto do neto de Trotsky e varrem o resto dos quartos com suas fotos. Em um deles estão Trotski e sua esposa, que salvam suas vidas escondendo-se debaixo da cama. A polícia mexicana conta 73 ferimentos de bala nas paredes e no teto do quarto. O assalto falha e o grupo atacante dispersa-se.

Trotsky teve que ser esfaqueado, decapitado ou atingido com algum objeto, sem armas de fogo.

A decisão foi - diria que muito mais tarde, Sudoplatov - que o grupo de agressores não era constituído por assassinos profissionais experientes. Todos eles eram camponeses e mineiros, com formação elementar.

O fiasco do ataque de Siqueiros impaciente Estaline, que ordena a Beria que avance para o plano alternativo. Ramon Mercader, que foi considerado pronto para a missão por causa de sua formação como guerrilheiro na Espanha, foi a desempenhar o papel de executor. Eitingon e Caridad reuniram-se com Ramón para estudar o plano.

Decidiram que o ataque seria silencioso, pois só assim ele poderia escapar. Isto significava que o Trotsky tinha de ser esfaqueado, decapitado ou atingido com um objecto. Nada de armas de fogo. Eles também decidiram que, se capturados, a motivação para o assassinato tinha de ser disfarçada de vingança pessoal do comerciante, por razões financeiras ou por razões apaixonadas, ligadas ao seu caso de amor com a americana Silvia Agelov, amiga e colaboradora de Trotski. Deveria também afirmar que o líder exilado o pressionava a juntar-se a um grupo terrorista internacional que planeava assassinar Estaline.

O jovem carrasco Jaime Ramón Mercader del Rio Hernández, o homem indicado por Moscou para eliminar Trotsky, nasceu em Barcelona em 1913. O pai dele, Pau Mercader, era um católico fervoroso. Sua mãe, Caridad del Río, nascida em Santiago de Cuba, veio de uma família aristocrática da ilha. Depois de uma vida perigosa, ela se juntou ao Partido Comunista e adotou o sobrenome Mercader. Agente secreto do Kremlin e amante de Eitingon desde 1936, acabou por recrutar o seu próprio filho para a NKVD.

Ramón tinha uma memória quase fotográfica e logo demonstrou suas qualidades. Segundo o historiador Christopher Andrew e o ex-espião soviético Oleg Gordievski, ele era "muito inteligente, falava várias línguas, um atleta treinado e um hábil dissimulador com notável autocontrole". Um comunista fanático, Mercader era um agente ousado e bem dirigido.

Trotsky arengando as tropas diante do teatro Bolshoi em Moscou, ao lado de Lenin e Lev Kamenev, em maio de 1920. (Domínio público)
Trotsky arengando as tropas diante do teatro Bolshoi em Moscou, ao lado de Lenin e Lev Kamenev, em maio de 1920. (Domínio público)

Mercader usou os seus dons em Paris para seduzir Silvia Agelov e aproximar-se da sua vítima. A oportunidade de ter acesso direto a Trotsky surgiu quando Silvia começou a trabalhar como secretária do revolucionário no México no início dos anos 40.

Na prática, para Ramon Mercader tudo começou em agosto do ano anterior, quando ele deixou a França com sua mãe de barco para Nova York. Lá eles se encontraram com Eitingon, cuja empresa de exportação e importação serviu de disfarce para o Ramon.

Silvia Agelov, com quem Mercader estabeleceu uma relação sólida, também estava em Nova York na época. Nos círculos trotskistas, ele foi passado como um empresário excêntrico e rico, um personagem sem filiação política, mas simpático à "causa".

Quando Silvia se mudou para o México, Ramon a seguiu. Armado com um passaporte canadiano falso em nome de Frank Jackson, ele fez viagens frequentes aos Estados Unidos para receber instruções e dinheiro de Eitingon.

No México, Mercader não mostrou nenhum interesse especial em abordar Trotsky. Ele agiu com a tranqüilidade do predador que tem sua presa segurada. Todos os dias levava Sílvia à aldeia de Coyoacán e recolhia-a depois do trabalho. Pouco a pouco, o ambiente familiar e os guardas que guardavam a residência de Trotski foram conhecendo-o. Em março de 1940 conseguiu entrar na casa pela primeira vez.

Apenas cinco dias depois do ataque falhado de Siqueiros, Trotsky e o seu assassino conheceram-se pessoalmente. Silvia facilitou a sua entrada na residência. Mercader foi muito gentil e deu um planador de brinquedo para o neto do revolucionário exilado.

Nos três meses seguintes, o Ramon fez dez visitas. Ele sempre levava pequenos presentes para Natasha, a esposa de Trotsky, e nunca ficou muito tempo. Nesse período, ele só viu o líder comunista duas ou três vezes, e fez algumas viagens a Nova York para contatar o "residente" do NKVD e afinar os preparativos para a execução planejada.

O grito terrível e penetrante perseguiu o Mercader para o resto da vida.

A 20 de Agosto, Mercader deu o passo final. Dotado de uma picareta de montanhista que escondeu debaixo da gabardina, apresentou-se na aldeia e conseguiu ser recebido sozinho por Trotski no seu estúdio, sob o pretexto de ter um artigo que tinha escrito corrigido para ele.

Sentado em sua mesa no escritório, Trotsky estava lendo quando Mercader lhe bateu com a picareta na nuca. A ferramenta penetrou profundamente no crânio, mas a vítima se moveu um pouco no momento do golpe, impedindo-o de morrer instantaneamente.

Enquanto lutava com o assassino, Trotski mordeu a mão direita e soltou um grito de dor. O grito terrível e penetrante perseguiu o Mercader para o resto da vida. Deixou-o tão atordoado que não conseguiu terminar o crime com a adaga cosida ao forro da capa de chuva e à pequena pistola que levava consigo. Trotsky sobreviveu apenas algumas horas de espasmos e dor.

Mercader tinha cumprido o seu papel como um assassino, mas ele cometeu erros graves. Embora tenha alcançado o objetivo final de matar Trotsky, ele não conseguiu executar o ataque furtivamente, como planejado. Ele não podia escapar com a ajuda de sua mãe e de Eitingon, que o esperavam perto da aldeia num carro. O NKVD tinha ganho, mas ele tinha perdido e pago por isso.

A prisão do assassino

O choro do Trotsky alarmou a mulher e vários guardas, que entraram a correr na sala. Um dos guardas derrubou Mercader fora de combate com um rabo de cigarro, e o resto continuou a bater nele. Ele teria sido morto ali mesmo se não fosse pelo próprio Trotsky, que já estava morrendo, pediu para ser deixado vivo para poder confessar quem o enviou. Logo os carros da polícia e as ambulâncias começaram a chegar. Eitingon e Caridad entenderam que algo havia dado errado e saíram do lugar.

Silvia Agelov, conhecendo a identidade da amante e compreendendo que a tinha usado, tentou suicidar-se.

Trotsky e o seu carrasco foram transferidos para o Green Cross Relief Post no centro da capital, mas as tentativas de salvar a vida do "inimigo número um" de Estaline revelaram-se inúteis. Trotsky morreu pouco depois, na noite de 21 de agosto.

Em outro quarto próximo, guardado pela polícia e deitado em um palete, Mercader, com a cabeça enfaixada pelos golpes recebidos, recuperado de suas feridas. Silvia Agelov, conhecendo a identidade da amante e compreendendo que a tinha usado, tentou suicidar-se.

Eitingon e Caridad esconderam-se em Cuba durante seis meses e depois viajaram para Nova Iorque. Armados com documentos falsos, chegaram a São Francisco e de lá embarcaram para a China. Em Maio de 1941, regressaram a Moscovo na Estrada de Ferro Trans-Siberiana.

A Caridad foi acolhida por Beria, recebida por Estaline no Kremlin e entregue à Ordem de Lenine. Mas alguns anos mais tarde Eitingon abandonou-a, e levou muito tempo para que ela obtivesse permissão para deixar a URSS. Ele foi finalmente autorizado a marchar para Cuba em 1959, e por um tempo trabalhou na embaixada cubana em Paris. Ele terminou seus dias negros na capital francesa em 1975, com a idade de 82 anos.

Ramon Mercader era tenaz e tinha sido bem treinado. Apesar dos duros interrogatórios a que foi submetido na prisão mexicana de Lecumberri, nunca revelou a sua verdadeira identidade. Ele fingiu ser Jacques Mornard, de nacionalidade belga.

Condenado em 1943 a vinte anos de prisão, ele sempre repetia aos seus interrogadores a versão de que ele era Mornard e havia cometido o assassinato por motivos pessoais. Ao longo dos anos de prisão, manteve a sua fé estalinista acima das mudanças que estavam a ocorrer no Kremlin e recusou a liberdade condicional em troca da admissão como membro dos serviços secretos soviéticos.

Ramón Mercader foi condenado a 27 de Junho de 1944. (Domínio Público)
Ramón Mercader foi condenado a 27 de Junho de 1944. (Domínio Público)

A identidade de Mercader só foi revelada oficiosamente no início da década de 1950, quando a polícia mexicana entrou em contato com a polícia espanhola, que confirmou que as impressões digitais do detido no México correspondiam ao filho de Caridad Mercader. Sudoplatov, no entanto, afirma que Mercader só foi identificado quando um parente de Ramón abandonou a URSS e se mudou para o Ocidente.

Este membro da família, um funcionário do Partido Comunista Espanhol, sabia quem era o assassino de Trotsky porque a Caridade lhe tinha revelado isso em Tashkent, a cidade onde ela viveu entre 1941 e 1943. Durante a sua estadia na prisão, Estaline concedeu secretamente a Mercader a medalha de Herói da União Soviética. Em 1960, ele foi libertado da prisão e reunido com sua mãe em Cuba. Depois viajou para Moscovo, onde foi proclamado Herói da URSS.

Lá ele tomou o nome Ramon Lopez e recebeu uma alta pensão, equivalente à de um general, e um grande apartamento. A esposa de Mercader, Raquelía, com quem se casou na prisão, trabalhou como emissora na Rádio Moscou, e o casal adotou um menino e uma menina, filhos de um agente comunista espanhol que havia se refugiado da Guerra Civil e retornado à Espanha e foi capturado.

Em meados dos anos setenta, Ramón deixou Moscou e se estabeleceu em Havana, onde Fidel Castro o recebeu bem. Trabalhou como assessor do Ministério do Interior até sua morte, em 1978, de um câncer ósseo. No final da sua vida, Mercader foi uma figura do passado que trouxe más recordações. Até mesmo seus próprios co-religionistas o deixaram sozinho, mas ele nunca se arrependeu de seu papel de executor e considerou um "privilégio" ter trabalhado sob as ordens de Eitingon.

A sua viúva transferiu os seus restos mortais incinerados para Moscovo e depositou-os no cemitério de Kuntzevo, num túmulo com o nome de Ramon Ivanovich Lopez. Alguns anos mais tarde, uma lápide de mármore foi colocada no túmulo. Nele aparece o nome de Ramón Mercader em espanhol e russo.

Fonte: Historia y Vida

Publicações recomendadas