Faróis do México. Os guias do alto mar

18-10-2020

Vale mencionar que hoje em dia, devido ao desenvolvimento de modernos métodos de navegação, baseados principalmente no avanço dos sistemas de posicionamento global por satélite (GPS), os faróis se tornaram obsoletos. Há menos de 1.500 em serviço em todo o mundo, e 135 operam ao longo da costa mexicana. Os mais antigos são feitos de alvenaria, alguns mais de concreto, e os mais recentes, com estruturas muito sólidas, são construídos principalmente de aço.

No México, existem três tipos de faróis:

1) os faróis, que são instalados nos lugares mais convenientes dos portos ou em pontos muito importantes das costas ou ilhas com tráfego marítimo abundante e são utilizados para facilitar a chegada ou o desembarque de navios;

2) intermediários, que operam em pontos conhecidos da costa, para que funcionem como complemento aos faróis, já que oferecem assistência ao navegador, e

3) situacionais, que são utilizadas para assinalar acidentes ou perigos consideráveis para a navegação em costas, recifes, pontos, capas, ilhas, etc.

Um sistema de 135 faróis está em operação nas amplas costas do México, cercado por três mares. São ajudas marítimas que, como as constelações, bússola, astrolábio, sextante e docas, tornaram possível o desenvolvimento da navegação no país. Sem a história dos faróis, a evolução da Marinha Nacional, tanto militar como civil, seria incompreensível. Os faróis têm sido e serão para sempre um símbolo universal do sinal luminoso que leva ao porto seguro.

No México, o mar tem uma importância histórica e simbólica especial. A mitologia pré-hispânica narra como o deus civilizador Quetzalcoatl embarcou em uma balsa no Porto de Coatzacoalcos para desaparecer, entrando no mar depois de anunciar que um dia retornaria às terras de sua origem. Esta profecia, central para a mitologia do povo nahua, facilitou a conquista espanhola no século XVI, pois quando Hernán Cortés chegou com seus navios à costa mexicana, foi considerado o "deus louro e barbudo" que mais uma vez reivindicava seu trono.

No México, os sinais marítimos já existiam antes da chegada dos espanhóis às costas de Yucatan. Na costa do Mar do Caribe, no estado de Quintana Roo, a pirâmide de Tulum, construída em 1200 d.C., é coroada por uma estrutura retangular com aberturas para o mar, que ao acender fogueiras de madeira direcionava sua luz para os marinheiros maias à noite, e durante o dia com seu sinal de fumaça.

Os maias, além de serem grandes construtores, matemáticos e astrônomos, eram também navegadores experientes. Eles conseguiram consolidar o comércio em dois sistemas de navegação: um, costeiro e terrestre, que se estendia da costa de Campeche até Honduras e passava pela base da península de Yucatan; e outro sistema completamente marítimo ao redor da península, até a costa do istmo do Panamá.

Embora o comércio por mar fosse realizado desde as primeiras datas, não foi até 1000 d.C. que atingiu um grande desenvolvimento com a chegada de tribos portadoras de uma cultura marítima, como os Putunes ou Itzaes, navegadores e comerciantes experientes que pertenciam a um grupo maia que vinha do Campeche e do delta dos rios Usumacinta e Grijalva, no atual estado de Tabasco.

Foram eles que estabeleceram locais de apoio aos navegadores, como alguns portos ao longo da costa, seja aproveitando as características naturais, como nos casos das enseadas rochosas de Xel Há e Xcaret, ou modificando a geografia do lugar através da construção de canais navegáveis para unir corpos de água, como no caso de Chunyaxché, perto de Tulum. Nas áreas próximas aos manguezais, eles usaram conchas de caracóis para construir faróis, docas e diques.

Sem dúvida, o poder e a riqueza dos conquistadores espanhóis, desde o século XVI, foram consolidados em torno de dois portos com faróis: o Forte de San Juan de Ulua, em Veracruz, e o Forte de San Diego, que marcava a entrada na Baía de Acapulco. Esses dois portos e faróis, durante mais de quatro séculos, tiveram uma notável relevância na história do comércio mundial. Foi através deles que se estabeleceu o eixo mundi, um verdadeiro eixo do mundo, ligando, através das estradas de terra da Nova Espanha, o continente europeu com os portos asiáticos.

Entre 1565 e 1815, navios como o Nao de China navegaram pelo Pacífico a fim de fortalecer os laços comerciais entre a Nova Espanha, o Extremo Oriente e a Europa, o que trouxe consigo não só um intenso intercâmbio de mercadorias, mas também um rico intercâmbio cultural e importantes processos migratórios, visíveis até os dias de hoje. Atualmente, ao Porto de Acapulco juntaram-se outros novos portos na costa mexicana do Pacífico, que se tornaram importantes alavancas para o desenvolvimento nacional.

Muitos dos faróis que existem hoje são testemunhas silenciosas da história, intercâmbios comerciais, batalhas e anedotas de todo tipo. Os mais modernos já possuem instalações totalmente automatizadas que utilizam energia solar, o que deixou, em muitos casos, a cativante figura do faroleiro como uma bela memória.

Os faroleiros do México foram e são parte de uma história de mais de quatro séculos.

Entre as principais tarefas realizadas por um faroleiro estão aquelas destinadas a fornecer ajuda aos navegantes, emitir relatórios de rádio sobre as condições climáticas na área onde o farol está localizado e monitorar o tráfego marítimo. Às vezes, eles até fornecem apoio médico à tripulação dos barcos de pesca.

As habilidades e conhecimentos que estes personagens devem possuir são muitos; eles aprendem disciplinas que não só lhes permitem realizar seu trabalho, mas também prover a si mesmos em seu isolamento: cozinha, primeiros socorros, mecânica, comunicação via rádio, carpintaria, entre outros. O avanço tecnológico atual na sinalização marítima torna necessário que os faroleiros modernos se tornem técnicos sofisticados.

Uma anedota registrada em 1962, na Ilha de Enmedio, em Veracruz, onde um faroleiro, quando perguntado como poderia viver em um lugar tão bonito, mas longe da civilização e em tão grande solidão, respondeu: "Eu não escolheria nenhum outro emprego no mundo". Uma frase curta de profundo significado, que anos depois seria repetida pelos faroleiros de Nautla, Santiaguillo e Zapotitlán, também em Veracruz.

"E como suportar a vida na cidade com tanto barulho e azáfama" é outra frase que sempre foi dita pelos faroleiros, pessoas com grande espírito de serviço, que também ajudaram os marinheiros a evitar perigosos bancos de areia, recifes e recifes próximos às costas.

É claro que os muitos anos de serviço prestados pelos faroleiros do México devem ser apreciados, seres cujo trabalho nos convida a pensar: "Nunca será o mesmo olhar para o farol e saber que é um computador que controla o funcionamento do farol e que ninguém mais vive lá".

Os faróis, uma longa história

O uso de sinais luminosos para guiar o marinheiro remonta a tempos imemoriais. Costumavam ser fogos que queimavam no topo de uma colina perto da costa, de modo que era suficientemente visível do mar. Colunas e torres votivas coroadas com fogos permanentes - que queimavam em honra de heróis e semideuses -, sem qualquer sistema óptico, são ilustre ancestrais dos faróis.

O grande escritor Emil Ludwig, ao contar a história do Mar Mediterrâneo, menciona o poema épico A Ilíada, no qual Homero se refere aos faróis, quando compara o brilho que irradiava do escudo de Aquiles com o fogo que ardeu no alto de uma montanha:

Como um fogo, aceso em um lugar solitário no topo de um monte, parece aos navegantes que vagueiam pelo mar, abundante em peixes, porque as tempestades os afastaram de seus amigos; da mesma forma, o brilho do belo e esculpido escudo de Aquiles alcançou o éter (A Ilíada, canção XIX).

O sinal luminoso dos faróis, como o das estrelas e das constelações, permitiu aos navegadores, desde a antiguidade, dirigir suas audaciosas explorações. Graças aos faróis, as principais rotas marítimas dos navegadores fenícios puderam ser estabelecidas no Mar Mediterrâneo.

Os faróis são construídos perto da costa. Geralmente, eles estão localizados em locais com importantes rotas de navegação e possuem uma poderosa lâmpada no topo, que é um guia de luz para barcos.

Algumas pessoas reconhecem um farol no Colosso de Rodes, pois esta estátua de bronze, de 30 metros de altura, era visível para os navios que se aproximavam da Ilha de Rodes. Há histórias míticas que dizem que em um de seus braços havia uma fogueira que era alimentada dia e noite.

A palavra espanhola faro vem do antigo faro grego, cuja origem é o nome da Ilha de Faro, em frente ao delta do rio Nilo, onde Alexandre o Grande fundou a cidade de Alexandria. No ano 331 d.C., por ordem do conquistador grego, foi iniciada a construção de uma doca de pedra, ligando a pequena ilha à costa egípcia e iniciando assim a criação do mais notável porto da antiguidade clássica.

Nesta pequena ilha no Mar Mediterrâneo, transformada em uma península, foi erguido o famoso Farol de Alexandria. Esta torre é considerada como o primeiro farol nos anais históricos. Seu projeto arquitetônico era tão formidável que os antigos a incluíram entre as Sete Maravilhas do Mundo. O farol começou sua construção sob a direção de Sostratus de Cnidus e sua obra foi concluída até o reinado de Ptolomeu Soter.

O Farol de Alexandria tinha mais de 120 metros de altura e foi coroado por uma estátua do deus Helios, a divindade do Sol. Era capaz de guiar navios até 50 quilômetros de distância; de dia, o fazia com sinais de fumaça, e de noite, com fogo. O porto foi criado ao redor do Farol de Alexandria, com sua grande biblioteca, jardins e um museu que atraiu inúmeros estudiosos e cientistas de toda a bacia do Mar Mediterrâneo.

Nos portos construídos pelos romanos, costumavam existir torres muito altas que serviam para sinalizar a chegada a terra. Na Inglaterra, o Farol de Dover no Canal da Mancha marcou a passagem entre a Gália e a Grã-Bretanha. Outro farol famoso da época do Império Romano é a Torre de Hércules, construída no século II a.C. em La Coruña, no extremo oeste da Península Ibérica, na costa do Oceano Atlântico. Este farol, que em tempos antigos era alimentado por fogos de madeira e carvão, é notável porque ainda hoje é utilizado com tecnologia de ponta para conduzir os navios pelo caminho certo.

O projeto das ajudas à navegação sempre esteve relacionado com as atividades do comércio e da guerra. Por exemplo, na Renascença, as cidades-estado italianas construíram faróis como o de Gênova, na costa liguriana, em frente à Sardenha, conhecida como "La Linterna". Esta torre fazia parte das defesas da cidade e depois se tornou um sinal marítimo. Com seus 75 metros de altura, era considerada o farol mais alto do mundo.

Construído no século XVII na Inglaterra, o Farol de Eddystone está localizado nas rochas de Eddystone, a 14 quilômetros a sudoeste de Rame Head e ao lado do Porto de Plymouth. A estrutura atual é a de um quarto farol que foi construído no mesmo local. O primeiro e o segundo, construídos em madeira em 1698 e 1705, respectivamente, foram destruídos. O terceiro, mais conhecido por sua influência como modelo para a construção de faróis posteriores na costa das Ilhas Britânicas, foi concluído em 1759. O atual farol foi projetado em 1882. Ele ainda está em uso e foi automatizado 100 anos após a data de sua inauguração. A torre foi modificada com a construção de um heliporto no topo.

Com o tempo, os faróis evoluíram na forma como emitem luz. Dos antigos incêndios, passou para o petróleo e o petróleo. Veio o querosene e mais tarde o propano e o gás acetileno. Finalmente, a modernização estava presente tanto nos materiais de construção quanto na eletricidade, que mais tarde se tornou a fonte de energia para os faróis. Um dos primeiros faróis de cimento e aço foi o de Dungeness, no extremo sudoeste da Inglaterra, ao largo da costa da Bélgica, construído em 1961.

Durante o século XIX, foram estabelecidos planos em vários países, especialmente na Europa, Ásia e América, para a construção de faróis ao longo da costa, e foram desenvolvidos padrões internacionais para o sistema de sinalização marítima. No início do século XX, qualquer rota com tráfego razoável foi marcada para que nenhuma embarcação ficasse fora do alcance de um farol. O verdadeiro relâmpago começou com a Idade Moderna, graças ao aumento das relações comerciais e do tráfego naval. Não havia mais luzes suficientes nos portos. Também era necessário instalar faróis e balizas nas costas, que geralmente tinham uma menor visibilidade.

Menos de 1.500 faróis estão atualmente em serviço no mundo inteiro, pois os modernos métodos de navegação baseados nos satélites do Sistema de Posicionamento Global (GPS) estão tornando-os obsoletos. Como já mencionado, 135 faróis estão ativos no México, distribuídos ao longo de suas três costas. Os mais antigos são feitos de alvenaria, existem outros feitos de concreto, e os mais recentes são estruturas muito sólidas, principalmente feitas de aço.

Tipos de iluminação e sinalização

Ainda no século XVII, os faróis nada mais eram do que torres onde se acendiam fogos de madeira, carvão, alcatrão ou breu. No entanto, já existiam alguns faróis nos quais eram colocadas lâmpadas de óleo ou sistemas com pavios à base de sebo.

No século XVIII, foram inventadas as primeiras lanternas metálicas, que resistiram melhor ao calor. Em 1786, o engenheiro francês Joseph Teulère introduziu o quinqué, inventado pelo suíço Ami Argand, que foi construído com vidro e refletores de chapa e um sistema de rotação mecânica. Assim nasceram os primeiros dispositivos catóptricos e as primeiras luzes rotativas. No século XIX, a iluminação dos faróis sofreu importantes mudanças com a invenção, por Augustin Fresnel, das lentes escalonadas que concentram e intensificam o feixe de luz. A lente de Fresnel foi utilizada pela primeira vez em 1823, no Farol de Cordouan, no estuário do Gironde, próximo ao Porto de Bordeaux, França.

No México, existem três tipos de faróis:

Faróis de desembarque: São instalados nos lugares mais convexos dos portos ou pontos de grande importância nas costas ou ilhas com grande tráfego marítimo e são utilizados para facilitar a chegada ou desembarque dos navios nesses portos ou pontos a reconhecer.

Faróis intermediários: Operam em pontos conhecidos da costa, para que funcionem como um complemento aos anteriores, ou seja, para que o navegador possa ajudar-se com eles. Geralmente têm menos alcance; também são colocados naqueles portos onde o tráfego marítimo é de menor importância.

Faróis de situação: São utilizados para indicar acidentes notáveis ou de perigo para a navegação na costa ou em recifes, pontas, capas, ilhas, etc.

No que diz respeito à sua operação, existem dois tipos de faróis: os que requerem uma ou mais pessoas para operá-los (protetores de faróis) e os automáticos, que não requerem ninguém para operá-los.

Atualmente, o Sistema Nacional de Sinalização Marítima possui três tipos de sinais: visível, acústico e de rádio. Como seu nome indica, os sinais visíveis são aqueles que podem ser vistos de qualquer navio a uma distância específica. Basicamente, estes também são classificados em três tipos: faróis, faróis e bóias flutuantes.

Os faróis são torres, geralmente de forma cônica ou cilíndrica, com um mecanismo de luz na parte superior para torná-los visíveis. Eles são de diferentes escalas, de acordo com a importância do local que apontam. Por outro lado, os faróis são estruturas menores para ajudar a navegação, que indicam perigos ou afiliações, e sua forma mais comum é piramidal, retangular, cilíndrica ou tubular. Seu sinal luminoso opera automaticamente. Finalmente, as bóias são bóias de luz cegas ou intermitentes, fixadas por uma corrente ou cabo a um corpo que por seu peso é afirmado no fundo do mar. Desta forma, elas não mudam sua posição pela força das correntes ou das ondas. As bóias são usadas para marcar canais navegáveis, obstáculos naturais ou artificiais submersos, fundos rasos ou embarcações afundadas.

Os sinais acústicos têm a mesma estrutura que os anteriores, mas emitem, além da luz, um som que pode ser facilmente identificado quando acionados pelas ondas, pelo vento ou eletronicamente. Seu uso é necessário quando os sinais visíveis não são suficientes; por exemplo, em regiões onde fenômenos meteorológicos, como o nevoeiro, reduzem ou impedem a visibilidade. Os principais dispositivos acústicos são sinos, apitos, sirenes e emissores de som elétricos.

Finalmente, os sinais de rádio utilizam ondas eletromagnéticas, transmitidas por um sistema e recebidas por outro, que permitem ao marinheiro conhecer sua posição no mar, perto da costa ou nas entradas dos portos. Também advertem sobre a existência de perigos, obstáculos à navegação ou pontos na costa que possuem este dispositivo.

No caso dos faróis, é importante distinguir entre seu alcance geográfico e luminoso. A primeira é a distância máxima, expressa em milhas náuticas, na qual um sinal pode ser observado durante o dia. Sua potência é uma função da altura do sinal e a do observador acima do nível do mar. O alcance da luz é a distância máxima, expressa também em milhas náuticas, na qual uma luz pode ser observada no escuro. Este alcance é uma função de sua intensidade luminosa, do coeficiente de transmissão atmosférica e do limiar de iluminação no olho do observador.

Do oceano, os navios não só vêem as luzes do farol, que os avisam da proximidade da costa, mas também os intervalos e as cores dos feixes de luz, que têm um código, através do qual é possível reconhecer em frente a qual ponto da costa eles estão. Assim, as características luminosas de um farol são as peculiaridades das cores e dos ritmos dos flashes de luz. A cor, duração dos flashes e eclipses foram estabelecidos com base em padrões nacionais e internacionais, com o objetivo de dar a cada sinal luminoso uma característica adequada a sua função. O número de flashes e eclipses de uma luz em um determinado tempo é chamado de "período". Os sinais luminosos intermitentes são classificados de acordo com a duração relativa dos períodos de iluminação e obscurecimento.

O significado da navegação

O Oceano Atlântico tem sido explorado desde os primeiros assentamentos humanos em suas margens. Os vikings, os portugueses, os holandeses, os franceses e os espanhóis foram os mais famosos exploradores das costas e ilhas americanas. Após o feito de Cristóvão Colombo em 1492, as viagens vindas da Europa aceleraram-se rapidamente e novas rotas comerciais foram estabelecidas. Um trânsito constante entre a Europa e a América começou, o Velho e o Novo Mundo foram unidos por navios que saíam de um porto em busca da luz de um farol.

O Oceano Atlântico tem contribuído significativamente para o desenvolvimento econômico das nações. Além de ser um oceano que tem transportado conquistadores, piratas, invasores, imigrantes famintos, exilados políticos e comerciantes, hoje o Atlântico oferece abundantes depósitos de petróleo nas rochas sedimentares da plataforma continental e valiosos recursos pesqueiros. Por esta razão, o Atlântico mexicano possui muitos portos históricos e importantes para o desenvolvimento de todas estas atividades.

O explorador espanhol Vasco Núñez de Balboa descobriu o Oceano Pacífico em setembro de 1513, quando cruzou o istmo do Panamá. Uma década depois, Hernán Cortés, o conquistador de Tenochtitlan, estabeleceu um estaleiro no Istmo de Tehuantepec, onde "bajeles", o nome dado aos navios na Espanha do século XVI, foram construídos. Quando foram lançados ao mar, descobriram as ilhas da península da Baja California, onde deram seu nome ao mar interior entre a península e o continente. Eles o chamaram de Mar de Cortez em homenagem ao conquistador que liderou as expedições que partiam das costas distantes do Golfo de Tehuantepec.

Como guia para o retorno dessa aventura marítima, os espanhóis ergueram no Golfo de Tehuantepec, especificamente no Cerro del Morro de La Ventosa, uma pequena estrutura de pedra e argamassa na foz do Rio Tehuantepec. Essa obra foi o primeiro farol que foi construído nas águas do Oceano Pacífico que banhou o continente americano.

Durante cinco séculos, a pequena enseada de La Ventosa foi um dos portos de Oaxaca onde algumas das páginas da história do México foram escritas, começando com as expedições marítimas dos navegadores espanhóis.

Assim, um antigo escudo da cidade e do Porto de Salina Cruz, Oaxaca, destaca desde então a importância do conhecido Farol das Cortes, localizado no já chamado Cerro del Morro de La Ventosa. De lá, multiplicaram-se as histórias dos marinheiros. Em 1533, o Hernando de Grijalva, no navio San Lazaro, percorreu as costas de Chiapas e Oaxaca. Um ano depois, outra expedição zarpou de Tehuantepec para a Califórnia, novamente sob o comando do mesmo Grijalva.

Pouco antes, Diego de Becerra, também sob ordens do conquistador do México, zarpou para a Baja California, mas foi morto por sua tripulação. O navio capitaneado por Ortuño Jiménez conseguiu atracar na baía de Santa Cruz de Baja California, onde ao desembarcar para se abastecer, quase toda a tripulação foi assassinada pelos índios. Os poucos sobreviventes, aterrorizados, feridos e espancados, conseguiram chegar à costa de Jalisco em seu navio.

Em 1535, Don Antonio de Mendoza, designado vice-rei da Nova Espanha, chegou em San Juan de Ulua. Ele tentou preparar a ilhota para atacar os navios, fornecendo-lhes abrigo contra os ventos violentos. Em 1542, começou a construção do primeiro cais da ilhota - próximo ao local onde se encontra o Terminal de Contêineres - e logo depois, uma pequena torre de observação onde se encontra a Fortaleza de Soledad, de onde o longo muro de "Las Argollas" começou a segurar os navios no lado voltado para a praia.

O trânsito da mercadoria ao deixar o porto era feito por estradas primitivas, que mais tarde se tornariam linhas permanentes de comunicação, nas quais muitas vendas foram fundadas e muito em breve cidades como Córdoba, Orizaba, Puebla, Xalapa e Perote. Assim foi estabelecido o tráfego comercial entre a grande capital e o Porto de San Juan de Ulúa.

Em 1795, no Porto de Villa Rica de la Vera Cruz, lembra-se que originalmente os navios eram guiados por fogos, em algum momento colocados na Torre de San Pedro del Castillo da Fortaleza de San Juan de Ulúa. Foi nesse ano que o astrônomo José de Mendoza y Ríos projetou o primeiro farol moderno do México.

Tinha mais de 40 lâmpadas e com uma corda abriam e fechavam as persianas que davam os flashes. Foi finalmente instalado em 1796 na mesma Torre de San Pedro del Castillo e está atualmente preservado no Museu da Secretaria da Marinha, na Cidade do México.

Em 1872, o farol foi transferido para a torre da antiga igreja de São Francisco e, após alguns anos, foi substituído em 1910. O edifício do antigo farol da Igreja de São Francisco é hoje conhecido como o recinto da Reforma, pois entre 1858 e 1860 Benito Juárez promulgou as Leis da Reforma neste edifício. Durante essa época, Veracruz foi pela primeira vez a capital do país.

Do século 16 e ainda até o século 19, a influência espanhola sobre o Oceano Pacífico foi predominante. O Pacífico viu assim inúmeras expedições que o atravessaram e o exploraram. O cosmógrafo, marinheiro e explorador Andrés de Urdaneta y Cerain fez a primeira viagem do Porto de Acapulco até Manila City, nas Filipinas. Desde então e até o início do século XX, enormes galeões espanhóis partiram e chegaram de e para os portos mais importantes da América e das Filipinas. Estas viagens uniram Acapulco e Manila.

O México, devido a sua posição geográfica estratégica no mundo, tem sido um fator determinante ao longo da história do comércio marítimo, desde o século XVI. Os recursos petrolíferos do Golfo do México e os recursos eólicos do Istmo de Tehuantepec, assim como o dinamismo do comércio, migração e turismo, fazem dos faróis e portos mexicanos, hoje e amanhã, fatores fundamentais para o desenvolvimento e modernização do país.

Trecho da apresentação do livro. Fonte: Ministério das Comunicações e Transportes