Qualidade do ar: uma prática de vida e os efeitos sobre a saúde humana

29-10-2020

Dependendo de sua origem, os contaminantes podem ser classificados em naturais e antropogênicos. O primeiro vem de fontes naturais e o segundo é derivado de atividades humanas. Se vivemos em uma cidade, é comum identificar a poluição do ar e associá-la à atividade industrial e comercial e ao uso de veículos; a má visibilidade de lugares distantes é um indicador da deterioração da qualidade do ar que respiramos.

Entretanto, a poluição do ar não se origina apenas das fontes acima mencionadas ou de nossas casas. Os fenômenos naturais que ocorrem na superfície ou no interior da Terra - tais como erupções vulcânicas, que geram emissões de gases, vapores, poeiras e aerossóis - também contribuem. Por esta razão, os poluentes são divididos em naturais e antropogênicos; os primeiros vêm de fontes naturais e os segundos são derivados de atividades humanas.

Os principais poluentes que afetam a saúde humana e os ecossistemas são chamados de critérios poluentes. Entretanto, existem outros compostos que causam efeitos globais, tais como a destruição da camada de ozônio, o efeito estufa e a mudança climática. Os efeitos sobre as pessoas dependem do tipo de poluente, do grau de exposição, do estado nutricional e de saúde e da carga genética do indivíduo.

Nossa atmosfera

A atmosfera é a camada gasosa que circunda a Terra e qualquer alteração nela tem uma grande repercussão sobre os seres vivos.

Composição e estrutura física

A atmosfera é uma mistura de gases transparentes com 640 quilômetros de espessura, que evoluiu para a composição atual ao longo de milhões de anos, permitindo que a vida se desenvolva.

A mistura de gases que compõem a atmosfera é composta de aproximadamente 78% de nitrogênio (N2) e 21% de oxigênio (O2), em porcentagem quase constante.

O 1% restante é composto de gases-traço, destacando-se os gases de efeito estufa (GHG) - vapor de água, dióxido de carbono (CO2), metano (CH4), ozônio (O3), entre outros - assim como partículas vulcânicas, poeira e vapores. Apesar deste baixo percentual, estes gases desempenham um papel fundamental nos processos meteorológicos.

Nos 5 quilômetros mais próximos da superfície terrestre estão as camadas inferiores da atmosfera, onde se concentra metade de sua massa total e onde ocorrem fenômenos meteorológicos e reações químicas que intervêm em processos como a erosão e o ciclo hidrológico.

A composição química e a temperatura da atmosfera variam de acordo com a altitude. A União Internacional de Geodésia e Geofísica adotou como estrutura quatro camadas atmosféricas: troposfera, estratosfera, mesosfera, ionosfera.

Função e relevância

A Terra é o único planeta que conhecemos com uma atmosfera que permite a existência de água em seus três estados: líquido, sólido e gasoso. Isto se deve em parte porque a distância da Terra ao Sol é apropriada e em parte porque a Terra tem a massa ideal para ter uma atmosfera adequada em sua composição, o que permite a existência da vida tal como a conhecemos.

A atmosfera mantém a temperatura da Terra, evitando mudanças bruscas que tornariam o planeta inabitável. Sem a atmosfera, a temperatura da Terra atingiria mais de 75°C durante o dia e mais de 130°C abaixo de zero durante a noite. Da energia solar que atinge o planeta um pouco mais de 30% é refletida pela atmosfera ou pela superfície da Terra. O restante da energia solar é absorvido pelo planeta, permitindo que ele aqueça o ar, a água e o solo.

A atmosfera filtra a radiação ultravioleta (UV) através de suas diferentes camadas, assim como fazem os óculos de sol, permitindo a passagem de algumas radiações e impedindo a passagem de outras. A camada de ozônio, localizada na estratosfera, absorve parte dos raios ultravioleta do Sol (raios UVB e UVC), protegendo a vida na Terra.

O que polui nosso ar

A má visibilidade de lugares distantes como parte da paisagem é um indicador da deterioração da qualidade do ar.

Se vivemos em uma cidade, é comum identificar a poluição do ar e associá-la à atividade industrial e comercial e ao uso de veículos, que são características de uma cidade. Entretanto, a poluição do ar não tem sua origem apenas na indústria, em nossas casas ou pelo uso de veículos.

Os fenômenos naturais que ocorrem na superfície ou no interior da Terra - tais como erupções vulcânicas, que produzem emissões de gases, vapores, poeiras e aerossóis - também contribuem para a poluição do ar.

Por esta razão, os poluentes atmosféricos podem ser classificados de acordo com sua origem como naturais e antropogênicos. Os primeiros provêm de fontes naturais e os segundos são aqueles derivados de atividades humanas.

É de grande importância analisar as características, propriedades e origem dos contaminantes mais importantes de acordo com sua fonte, já que este é o critério mais comum.

Tipo de contaminantes

Na atmosfera há uma série de compostos que contribuem para a poluição do ar, dos quais dois grupos principais podem ser diferenciados:

Poluentes primários. Eles são lançados diretamente na atmosfera por alguma fonte de emissão como chaminés, carros, entre outros. Os poluentes atmosféricos que integram este grupo são:

Óxidos de enxofre (SOX). Eles são formados pela combustão do enxofre presente no carvão e no petróleo. Os SOX formam aerossóis com umidade ambiente, aumentando o poder corrosivo da atmosfera, diminuindo a visibilidade e causando chuvas ácidas.

Monóxido de carbono (CO). É o poluente mais abundante na baixa atmosfera. É produzido pela combustão incompleta de compostos de carbono. É um gás instável, que oxida gerando dióxido de carbono (CO2). Cerca de 70% do CO vem dos veículos.

Óxidos de nitrogênio (NOX). Eles são produzidos na combustão de produtos fósseis, destacando-se os veículos, o carvão e a queima de madeira. A produção de fertilizantes e explosivos, tabaco e caldeiras geram emissões significativas de NOX. O monóxido de nitrogênio (NO) e o dióxido de nitrogênio (NO2) requerem atenção especial. O NO é oxidado para formar o NO2, enquanto o NO2 é um precursor do smog fotoquímico.

Partículas. É um material respirável presente na atmosfera na forma sólida ou líquida (poeira, cinzas, fuligem, partículas metálicas, cimento e pólen, entre outros). De acordo com seu tamanho pode ser dividido em dois grupos principais: aqueles com um diâmetro aerodinâmico igual ou inferior a 10 µm (PM10) e aqueles com uma fração respirável menor (PM2,5).

Hidrocarbonetos (HC). As emissões de HC estão associadas a uma combustão pobre de produtos petrolíferos. As fontes mais importantes de emissões são o transporte rodoviário, solventes, tintas, aterros sanitários e produção de energia. As mais importantes são compostos orgânicos voláteis (COV), dioxinas, furanos, bifenilos policlorados (PCB) e hidrocarbonetos policíclicos aromáticos (PAH).

Poluentes secundários. São os poluentes originados no ar como resultado da transformação e das reações químicas que sofrem os poluentes primários na atmosfera. Eles podem ser considerados:

Ozônio (O3). Como mencionado anteriormente, o O3 faz parte da composição da atmosfera, porém a baixa altitude (O3 troposférico) é prejudicial devido ao seu caráter oxidante, reativo, corrosivo e tóxico, portanto reage rapidamente gerando compostos secundários.

Chuva ácida. É o termo utilizado para descrever o processo pelo qual certos ácidos são formados na atmosfera a partir de poluentes e depois precipitam para a terra. SO2 (dióxido de enxofre) e NOX, causam a chuva ácida. Estas substâncias na presença de água, O2 e outros compostos químicos formam ácido sulfúrico (H2SO4) e ácido nítrico (HNO3) respectivamente, que precipitam à terra em forma líquida quando chove ou em forma seca na presença de neve ou neblina. O pH da chuva normal é cerca de 6, enquanto que a chuva ácida tem um pH inferior a 5.

Contaminação fotoquímica. É composto de luz solar e substâncias que podem ser oxidadas. O smog fotoquímico é uma mistura de contaminantes que são formados por reações produzidas pela luz solar quando atinge os contaminantes primários.

Fatores envolvidos na poluição do ar

A qualidade do ar ao nosso redor é o resultado de uma combinação de fatores, que produzem mudanças em sua composição e podem variar de um momento para outro. Estes fatores produzem um impacto local, regional e global na qualidade do ar. Em uma dimensão local, podemos ver como a fonte de emissão afeta apenas a vizinhança imediata.

Em uma escala global, as variações climáticas influenciam o movimento dos poluentes. Por exemplo, a direção predominante do vento na América Central e norte da América do Sul é de leste a oeste e na América do Norte e sul da América do Sul é de oeste a leste.

Efeitos da poluição do ar

O problema da poluição do ar tornou-se uma constante em muitas cidades industriais ao redor do mundo, causando problemas de saúde à população e aos ecossistemas. É o caso do smog londrino de 1952, que causou quase 4.000 mortes, assim como a deterioração das florestas européias pela chuva ácida nos anos cinqüenta e sessenta do século XX.

Os principais poluentes que afetam a saúde humana e os ecossistemas são chamados de critérios poluentes. Entretanto, existem outros compostos que causam efeitos globais, como a destruição da camada de ozônio, o efeito estufa e a mudança climática.

Efeitos sobre a saúde

É importante observar que os efeitos à saúde dependem do tipo de contaminante, do grau de exposição, do estado nutricional e de saúde e da carga genética do indivíduo.

Efeitos sobre os ecossistemas e edifícios

Os efeitos da poluição do ar não são sentidos apenas por nós, mas os ecossistemas naturais, monumentos históricos e edifícios também podem ser danificados.

Os efeitos da poluição do ar sobre os ecossistemas são resultado de poluentes secundários, como a chuva ácida. A queda de partículas ácidas obstrui e acidifica os pequenos poros das folhas, dificultando o processo de fotossíntese, além de degradar o solo, o que afeta as raízes e a nutrição das plantas. Outro efeito é a redução dos peixes pela acidificação de lagos, lagoas, rios e riachos.

Edifícios, estátuas e esculturas também são afetados pela chuva ácida e sedimentação seca de partículas ácidas, contribuindo para a corrosão de metais (como o bronze) e a deterioração de tintas e pedras (como mármore e calcário).

Ações para melhorar a qualidade do ar

A Organização Mundial da Saúde (OMS) afirma que a exposição a poluentes atmosféricos está muito além do controle pessoal e requer a ação das autoridades públicas em nível local, nacional e internacional.

As Diretrizes de Qualidade do Ar da OMS são uma análise de consenso atualizada sobre os efeitos da poluição na saúde, que recomendam parâmetros de qualidade do ar para reduzir significativamente os riscos à saúde. Derivadas disto, as autoridades nacionais preparam as Normas Oficiais Mexicanas (NOM) através do Ministério da Saúde, que estabelecem os valores máximos permitidos para aqueles poluentes que representam um risco comprovado para a saúde humana. Os limites são estabelecidos usando como referência os grupos mais sensíveis da população, tais como crianças, adultos idosos e pessoas com doenças respiratórias e cardiovasculares.

Para avaliar o cumprimento dos NOMs, é necessário dispor de ferramentas de medição e monitoramento - sistema de monitoramento atmosférico, inventário de emissões, índice de qualidade do ar, entre outros - que permitam a implementação de ações de melhoria da qualidade do ar, que são integradas ao Programa de Gestão para Melhoria da Qualidade do Ar (ProAire).

No México, como em outros países, foram desenvolvidas ferramentas que permitem identificar os poluentes que são lançados na atmosfera, a freqüência, a quantidade em que isso acontece, bem como os principais responsáveis.

Inventário das emissões de poluentes atmosféricos. Eles fornecem informações sobre a quantidade de poluentes liberados na atmosfera. Atualmente existe um inventário nacional de emissões (INEM), que contém informações sobre a quantidade e o tipo de poluentes que geramos, por fonte e estado.

Monitoramento atmosférico. Permite conhecer o estado da qualidade do ar nas diferentes zonas em tempo real, com o objetivo de informar a população de forma oportuna e, assim, tomar decisões para proteger a saúde. Os critérios para localizar as estações de monitoramento são: densidade populacional, distribuição das fontes de emissão, meteorologia e topografia.

A maioria das cidades tem estações de monitoramento atmosférico desde os anos 90. As estações nem sempre medem todos os parâmetros, pois depende do tipo de poluente gerado na área.

Índice de Qualidade do Ar. É um valor não-dimensional, calculado a partir de informações da legislação atual relacionadas aos diferentes poluentes atmosféricos modelados, com o objetivo de facilitar a compreensão da população sobre as informações relacionadas à poluição do ar a nível local.

No México, em 1982, o Índice de Qualidade do Ar Metropolitano (Imeca) foi implementado como um valor de referência para informar a população das grandes cidades sobre os níveis de poluição do ar que prevalecem em sua área de residência ou trabalho.

Dentro do Imeca, as concentrações do critério poluentes são transformadas em uma escala de 0 a 500 pontos. Uma cor e um qualificador são atribuídos ao critério poluente do ar de maior magnitude que facilita à população compreender o estado da qualidade do ar da zona onde reside ou realiza suas atividades.

Os Programas de Contingência Ambiental Atmosférica são o principal meio pelo qual as autoridades informam a população sobre medidas preventivas para proteger sua saúde, quando a qualidade do ar não cumpre com os limites estabelecidos pelos regulamentos. Este conjunto de medidas está incluído em diferentes fases que são ativadas de acordo com o nível de concentração atingido pelos poluentes do ar.

Programas de gerenciamento para melhorar a qualidade do ar (ProAire). São programas que estabelecem diversas ações orientadas para o controle e/ou diminuição dos poluentes atmosféricos emitidos pela realização das diversas atividades humanas em uma determinada região e que, conseqüentemente, afetam diretamente a saúde e o meio ambiente.

O ProAire tem seu antecedente em 1990 com a implementação do Programa Integral contra a Poluição Atmosférica na Cidade do México. Atualmente, existem nove ProAires em vigor. Além disso, quatro estados estão desenvolvendo seu ProAire para implementá-lo em suas principais áreas urbanas.

Nossa contribuição para melhorar a qualidade do ar

Também em nível individual, podemos contribuir para melhorar a qualidade do ar em nossa localidade. Abaixo está uma lista de medidas que você pode tomar ou propor à sua família para reduzir a quantidade de emissões poluentes que emitimos para a atmosfera.

Em sua vida diária

Evitar queimar lixo, folhas e outros objetos, assim como fazer fogueiras na floresta ou na cidade.

Fechar adequadamente os recipientes de solventes, tintas e outros produtos químicos que possam ter substâncias que evaporam para a atmosfera.

Tomar banhos curtos para economizar gás. Quando for de férias, desligue o aquecedor de água, não o deixe ligado à luz piloto, pois ele continua a consumir gás.

Ao economizar eletricidade, reutilizá-la e, em geral, mudar seus hábitos de consumo de forma mais responsável, você reduzirá a quantidade de emissões poluentes no ar que são geradas como resultado de sua produção.

No transporte

Tentar ao máximo reduzir o uso do carro ou compartilhá-lo com outras pessoas. O uso de transporte público ou transporte não motorizado, como bicicletas e caminhadas, são alternativas de transporte sustentáveis.

Evitar o enchimento excessivo do tanque de gasolina do carro. Isto evita derramamentos e, portanto, a evaporação dos compostos da gasolina.

Tentar manter o carro em sintonia e levá-lo para o serviço periodicamente. É muito importante cumprir com os programas de verificação e manter o carro limpo e em boas condições.

Certificar-se de que os pneus tenham a pressão de ar correta. Isto melhorará o passeio do veículo e ajudará a economizar gasolina.

Não dirigir em altas velocidades e evitar freadas ou partidas repentinas, pois isso gera maior consumo de combustível.

Se você quiser comprar um carro, leve em conta os indicadores de eficiência energética e de emissões do veículo.