Qualidade de vida: dicas para evitar a raiva

As manifestações de raiva são uma característica desses tempos e prejudicam aqueles que estão com raiva e seu ambiente. Você aprende a prevenir explosões de raiva? Quando você precisa de orientação profissional?

Qualidade de vida: dicas para evitar a raiva
Qualidade de vida: dicas para evitar a raiva

Vivemos em tempos em que as expressões de raiva são cada vez mais comuns. Encontramo-las diariamente, o que se reflecte em todas as actividades diárias: individuais, familiares, cívicas, artísticas e políticas.

Reagir a um acontecimento adverso, irritar-se, não é mau; pelo contrário, é um mecanismo que possuímos como seres humanos e que evidencia que algo ou alguém ultrapassou os limites e que o que está a fazer não é bom segundo a nossa crença. No entanto, a sobre-expressão dessa resposta é o que desnaturaliza os próprios e os estranhos. Mais frequentemente, esse comportamento de raiva ou raiva se manifesta com as pessoas mais próximas a ele (parceiro, pais, filhos, colegas de trabalho, amigos).

Sem dúvida, estresse, perda de qualidade de vida, desesperança, incerteza, desemprego, a sensação de ter ficado de fora do sistema, a perda de valores absolutos para a vida, tempos limitados e pressões contribuem para a naturalização de comportamentos hostis e irritáveis entre as pessoas. Dessa forma, são geradas cada vez mais situações de fúria e violência cidadã.

As diferentes especialidades ligadas à saúde mental, como a psiquiatria, a psicologia e a neurobiologia, tentam abordar o que acontece àqueles que respondem com um ataque de raiva e estrela em episódios de violência em suas diversas manifestações. Hoje sabemos que estão envolvidas diferentes áreas do cérebro (sistema límbico) e alguns neurotransmissores (especialmente a serotonina), e que o equilíbrio dos sistemas cerebrais está perturbado, permitindo-nos viver de formas adaptadas a nós próprios e aos outros.

O ataque de raiva é precisamente uma forma patológica de vida com dois grandes efeitos. Por um lado, gera uma "implosão" que afeta o próprio corpo, mente e emoções. Por exemplo, esse comportamento está ligado a doenças cardiovasculares - confirmou-se que aumenta em até três vezes o risco de infarto agudo do miocárdio - e digestivas, como gastrite recorrente e cólon irritável, entre outras. A pessoa também experimenta culpa, ressentimento, sentimentos de vingança, inadequação permanente, falta de amor. Por outro lado, há a "explosão" que afeta o ambiente (violência psicológica, física, comportamento anti-social).

O ataque de raiva aparece ou não. Quando o faz, a mente e o corpo reagem desencadeando mecanismos hormonais, cerebrais, cardíacos, respiratórios e outros. Dispõem-se para a luta ou para a fuga. Quando isso acontece, é muito difícil de controlar, entre outras razões, porque desencadeou um comportamento irracional, animal, predatório e em cascata.

Quando o ataque de raiva se manifesta, é tarde demais. Por esta razão, nosso objetivo deve ser preveni-lo e não apenas atender ao momento em que ele é gerado (é quase impossível parar) e a reabilitação, que nunca é completa. Muitas vezes, o dano é irreparável.

Sinais de aviso

Como podemos reconhecer a dimensão do problema e se existem causas médico-psicológicas relacionadas que requerem a ajuda de um especialista? É importante que a pessoa restabeleça a comunhão consigo mesma, compreendendo quais são as verdadeiras razões da raiva, pois, em geral, a explosão não é uma resposta ao problema real. Além disso, na maioria das vezes, as situações que desencadeiam o ataque de raiva são geralmente pequenas coisas ou "disparates" que não justificam a magnitude do comportamento.

É possível que a pessoa sofra de um distúrbio de personalidade chamado "explosivo intermitente" e necessite de ajuda médico-psiquiátrica nas seguintes circunstâncias:

As erupções explosivas ocorrem de repente, quase sem aviso prévio, e duram 30 minutos ou mais.

Se os episódios ocorrem com muita frequência ou são separados por semanas de não-agressão.

Se a pessoa estiver irritável a maior parte do tempo ou for impulsiva ou cronicamente agressiva.

Se sentir raiva ou aperto no peito antes dos ataques; se tiver pensamentos de corrida, palpitações, olhar para um ponto, ou tremores; se gritar; se bater em si mesmo ou em objectos ou pessoas.

Se ela tiver explosões verbais sem medir as possíveis consequências.

Se houver lutas físicas, ameaças, etc.

O transtorno explosivo intermitente é devido a razões psicológico-ambientais ou genéticas, transtornos psíquicos cerebrais ou sua combinação, que devem ser avaliados. Em geral, as mudanças de humor e o consumo de álcool ou outras substâncias viciantes contribuem para a complexidade do quadro.

Somos, como pessoas, o resultado da interacção dos nossos genes (temperamento) e da nossa aprendizagem desde o nascimento (carácter) em relação ao ambiente em que nos desenvolvemos. Adquirimos personalidade e traços comportamentais que podemos modificar com recursos próprios ou adquirir novos com um guia profissional. Será sempre necessário o nosso protagonismo.

Como é que evitamos atingir o limite e a raiva ser desencadeada? Quando se trata de uma tendência ou de um problema cotidiano, aprender e ajudar a si mesmo é um desafio possível (ver quadro). Todas as terapias funcionam com relaxamento, e a ciência confirma cada vez mais a importância da espiritualidade, não apenas da religião. Finalmente, é importante ter em mente que a vida é bela, única, irrepetível e que todos os esforços são bem direcionados para enfrentar as dificuldades diárias. Temos de aprender a confiar e a desenvolver valores que nos enriqueçam.

Alguns conselhos

Aprenda a pensar antes de falar, e use esses instantes para ordenar o conteúdo das ideias que vêm e procure maneiras não ofensivas de expressá-las.

Expresse a raiva ou dor uma vez que a calma esteja presente na conversa, para fechar o momento.

Não use termos absolutos, como "nunca", "sempre", "tudo", "nada", que na maioria das vezes não refletem a realidade.

Aprenda a usar o humor nas relações diárias sem ser sarcástico ou irónico.

Aprenda a desenvolver uma personalidade generosa e desfrute da possibilidade de ser assim sem esperar pelo retorno.

Mude o seu estilo de vida sedentário fazendo exercícios aeróbicos frequentes (caminhada, jogging, natação, ciclismo).

Ver a dimensão espiritual e transcendente nos atos cotidianos e afirmar valores para a vida.

Cultive um tempo de meditação pessoal para reflexão.

Aprende a perdoar e a pedir perdão. Servirá para não guardar rancores e dará cura ao pensamento ao não acumular raízes de amargura.

Aprende a cultivar a amizade.

Procure ajuda, de amigos e familiares a profissionais de saúde mental, quando sentir que não pode sozinho.

Por Mexicanist

Recomendações