Personagens da Revolução Mexicana: Leon Trotsky - México, Seu Refúgio e Sua Túmulo

Lev Davidovich Bronstein, mais conhecido mundialmente como Leon Trotsky, morreu em 21 de agosto de 1941 na Cidade do México, onde viveu como refugiado durante os últimos anos de sua vida, depois de uma longa diáspora até que o governo de Lazaro Cardenas lhe ofereceu asilo político. Sua chegada ao México causou controvérsia internacional entre antagonistas e admiradores. Quando a notícia saiu, os primeiros a serem surpreendidos foram os soviéticos, liderados por Joseph Stalin, seu mais feroz inimigo. Quem foi Trotsky que mal mencionou seu nome provocou os comentários mais inflamados ou as mais nobres manifestações de apoio?

Leon Trotsky em sua mesa. Wikimedia
Leon Trotsky em sua mesa. Wikimedia

Leon Trotsky nasceu na Ucrânia, Rússia, em 1879. Desde muito jovem ele foi um revolucionário marxista filiado a organizações ligadas à luta dos trabalhadores, como a Liga Nicolaiev dos Trabalhadores, participante de congressos e representante dos trabalhadores. Entre 1904 e 1905, ele desenvolveu a teoria da revolução permanente. Sua ideologia e ativismo político o levaram em mais de uma ocasião a ser um prisioneiro na Sibéria. Ele participou ativamente da Revolução de outubro de 1917, pois já havia aderido ao Partido Bolchevique, do qual era membro do Comitê Central e presidente do Soviete Petrogrado. Após a vitória dos bolcheviques, ele foi designado para o cargo de Comissário para Assuntos Exteriores; ele também serviu como Comissário de Guerra, cujas funções eram organizar e comandar o Exército Vermelho.

Em 1919, o Politburo do Comitê Central do Partido Bolchevique russo (que em 1925 se tornou o Partido Comunista Bolchevique da União e em 1952 o Partido Comunista da União Soviética) foi estabelecido como o mais alto órgão político, composto de cinco membros: Vladimir Lenin, Leon Trostky, Lev Kamenev, Joseph Stalin e Nicholas Krestnky.

Mas os problemas nessa estrutura vieram em 1924, após a morte de Lenin e sua controversa vontade, que nas notas adicionais à Carta ao 13º Congresso do Partido Comunista Russo, escrita em 22 de dezembro de 1922, apontava

O camarada Stalin, que se tornou Secretário Geral, concentrou poder ilimitado em suas mãos, e não tenho certeza se ele sempre sabe como usá-lo com sabedoria suficiente. Por outro lado, o camarada Trotsky, como já demonstrou sua luta contra o Comitê Central no problema do Comissariado Popular para as Estradas de Comunicação, não é apenas notável por suas habilidades eminentes. Pessoalmente, ele é talvez o homem mais capaz do atual CC, mas também é muito presunçoso e apaixonado demais pelos aspectos puramente administrativos do trabalho

A liderança soviética foi assumida por Joseph Stalin, que imediatamente fez uma purga espetacular que resultou na remoção de Trostky e na expulsão da liderança do Partido e da Terceira Internacional Comunista (Komintern).

A ruptura definitiva entre Trotsky-Stalin ocorreu em 1927; não foi apenas uma questão pessoal, mas uma luta pelo poder, e a partir de então o assédio contra o primeiro não cessou; ele levantou sua voz para se opor a Stalin; ninguém mais em todo o imenso território soviético ousou fazê-lo, apenas Trotsky. Sua audácia se tornou a causa da perseguição hostil e incessante em qualquer terreno que ele pisasse; em todos os lugares onde ele ia, havia informantes, agentes, assediadores.

Mas como o México se envolveu neste conflito comunista internacional, com a União Soviética e o México sendo países tão distantes? Como Marx escreveu, "o fantasma do comunismo assombra o mundo", e como em inúmeros outros países, no México o Partido Comunista Mexicano (PCM) havia sido fundado em 1919 e imediatamente se juntou à Terceira Internacional, através de seu Secretário Geral José Allen. Esta adesão também significou a adesão estrita às políticas bolcheviques-comunistas russas, o que no futuro se traduziria na obsessão de Estaline de exterminar todos os dissidentes "inimigos do povo".

Expulso de seu partido e de seu país, o ex-líder russo exilou-se na Turquia em 1929; depois foi para a França e depois para a Noruega, mas em Moscou e em outras partes do mundo, o pensamento de Trotsky, o grande antagonista de Stalin, ainda estava presente, e depois se tornou também uma corrente ideológica: o trostkismo.

Quando ele vivia na Noruega, a pressão soviética foi sentida contra o governo daquele país, que, ao procurar estabelecer acordos comerciais em agosto de 1936, condicionou a assinatura do acordo a duas ações específicas contra Trotsky e sua esposa: prisão domiciliar e proibição de qualquer tipo de comunicação com o mundo. Eles não tiveram outra escolha senão partir.

Os trotskistas de vários países procuraram asilo para seu líder ideológico, mas a única resposta forte que conseguiram encontrar foi não! Apenas um governo ousou abrir as portas para o inimigo número um do estalinismo, o presidente Lazaro Cardenas. Em novembro de 1936, os esforços começaram a buscar uma permissão de entrada para o antigo revolucionário, que tinha 57 anos na época. O principal promotor foi o pintor Diego Rivera, que recebeu um telegrama perguntando se o México aceitaria Trotsky, e o mesmo artista, juntamente com Octavio Fernández, ambos membros da Liga Comunista Internacionalista - o grupo trotskista mexicano - foi encarregado de fazer o pedido ao presidente da República. Felizmente para eles, eles tiveram a mediação do General Francisco J. Múgica, Secretário de Comunicações e Obras Públicas e um homem próximo ao presidente, de modo que ele teve a oportunidade de dar a conhecer o caso de asilo político.

O General Cárdenas recebeu os comissários e a resposta ao seu pedido foi imediata: Sim, "O Sr. Trotsky pode vir ao México". O governo que represento lhe concederá asilo como refugiado político. Quando a decisão presidencial foi anunciada, houve reações dentro do próprio gabinete presidencial, nas organizações de direita, no PCM, nos sindicatos, em vários setores da sociedade... e no mundo. A edição fez as primeiras páginas da imprensa anunciando que o estalinista expulso viria a viver no México. Alguns aplaudiram a decisão e outros a repudiaram. Mas não importava o quanto o assunto fosse discutido nos jornais, em reuniões políticas ou em locais públicos, a ordem era dada: o General Cárdenas deu instruções ao relutante Secretário das Relações Exteriores, Eduardo Hay, para processar o pedido formal de asilo.

Quando Cárdenas deu sua aprovação, ele deixou claro que este era apenas um ato de humanidade diante da recusa dos países europeus que, apesar do perigo à vida de Trotsky, o impedia de viver em seu território. E respondendo às alarmantes reações nacionais e internacionais que alertaram sobre o risco, os distúrbios e as alterações que poderiam surgir, o governante respondeu que não encontrou motivo para temer, pois se a assimila se dedicasse exclusivamente "ao seu trabalho intelectual", não haveria nada com que se preocupar. A única coisa exigida era que os trotskistas mexicanos se abstivessem de "organizar manifestações que pudessem provocar confrontos com elementos hostis ao Sr. Trotsky". A notícia se espalhou como fogo selvagem. O nome do presidente mexicano tocou em todo o mundo.

E Trotsky recebeu um aviso de que era bem-vindo no México, um país do qual ele pouco ou nada conhecia. Ele aproveitou a longa viagem a bordo de um navio norueguês para ler o máximo que pôde sobre o país distante ao qual devia sua vida. A revolucionária e sua esposa, Natalia, chegaram a Tampico em 9 de janeiro de 1937; de lá se mudaram para a Cidade do México, para se hospedarem na casa de Diego Rivera e Frida Kahlo, localizada em Coyoacán.

A "casa azul", a casa dos dois famosos pintores mexicanos, foi o lugar onde Trotsky começou a conhecer o México, sua comida, sua história, seus costumes; lá ele aprendeu a entender a política do país que o recebia e dali observou e refletiu sobre o que estava acontecendo em seu novo local de residência; também dedicou seus dias de exílio a escrever sobre seu país, sua revolução e outros temas de natureza global, como o nazismo e o fascismo, que tinham a Europa em xeque.

Ele viveu na casa de Frida e Diego durante dois anos, até que ocorreu a ruptura entre o revolucionário e o artista. Trotsky e sua esposa mudaram-se para a Rua Vienna, no mesmo bairro de Coyoacán, a apenas alguns quarteirões de distância. Mas nada salvaria o ideólogo comunista dos planos que os inimigos tinham para ele, já que, embora longe da URSS, a idéia de eliminá-lo ainda estava em vigor, ou seja, havia uma ordem do próprio Joseph Stalin para assassinar o homem que ele chamou de traidor. Para realizar esses planos, o líder do governo soviético tinha muitas pessoas dispostas a cooperar e nada conseguiria salvar a vida de Lev Davidovich, nem mesmo a vigilância permanente que existia naquela casa.

Um primeiro ataque ocorreu em 24 de maio de 1940, quando, sob a cobertura da escuridão, um grupo de homens comandados pelo pintor David Alfaro Siqueiros descarregou suas armas na casa em Viena. Por incrível que pareça, apesar das centenas de balas disparadas, o casal Trotsky salvou suas vidas. Mas a casa já havia sido danificada e a paz que o casal havia encontrado naquele calmo e rural Coyoacán, cujas terras eram regadas pelo rio Churubusco, que corria exatamente ao lado da casa de tiro.

Eles falharam, mas não desistiram de seus planos de executar as ordens de Moscou. Outra estratégia foi elaborada. Na casa habitada pelos dois emigrantes, além do casal, havia guardas, trabalhadores, visitantes, e uma secretária, Silvia Ageloff. Este foi o fio mais fino que os inimigos encontraram para cumprir as ordens de Stalin. Um jovem começou a cortejá-la; eles se tornaram queridos, ele entrou na casa... ganhou a confiança dela; sob o pretexto de dar ao revolucionário um texto para ler, ele conseguiu se aproximar dele e, sem perder tempo, deu um golpe terrível na cabeça dele, a arma era um machado de gelo, ou pick-axe para montanhismo, que ele enfiou no crânio dele.

Já haviam passado 13 anos desde o rompimento com Stalin, mas finalmente ele pôde cantar vitória; seu inimigo, seu antípoda havia morrido. O comunista catalão Ramon Mercader havia atingido o desejo almejado de limpar Leon Trotsky da face da terra. A ferida era grave, mas ele não morreu imediatamente; ele foi levado a um hospital e tratado, mas nada pôde ser feito. Finalmente, após tanta perseguição, assédio e ataques do regime soviético, Trotsky morreu em 21 de agosto de 1940 na Cidade do México.

Ele ainda está no México. As cinzas do revolucionário, escritor e ideólogo Leon Trotsky permanecem na casa em Coyoacán, onde ele viveu seus últimos dias e onde foi encontrado morto.

Por Elsa Aguilar Casas, Fonte: INEHRM