Âmbar de Chiapas: A jóia do México

28-09-2020

A âmbar é minerada em Chiapas desde os tempos pré-hispânicos. Os Zinacantecos fizeram a troca com as pochtecas que vieram de Tenochtitlan. Os Zinacantecos tinham o monopólio do âmbar, eles venderam ou trocaram por ele; tiraram-no da área de Simojovel e o trouxeram para o centro.

Âmbar de Chiapas: Algumas pessoas acreditam que os pingentes de âmbar proporcionam proteção. Foto: Wikimedia
Âmbar de Chiapas: Algumas pessoas acreditam que os pingentes de âmbar proporcionam proteção. Foto: Wikimedia

Há vinte e cinco milhões de anos, na área que, com o passar do tempo, ficaria conhecida como Chiapas, a resina fluía dos tecidos vasculares de centenas de milhares de árvores de guapinol de todas as idades e condições. Um material de origem vegetal cujas tonalidades variam, desde o amarelo mais tênue, até o café intenso, quase preto.

Desde plantas jovens, pouco desenvolvidas, até árvores já envelhecidas, de vários metros de altura. Até mesmo os troncos caíram como resultado da chuva, dos raios ou do amolecimento do solo, escorreu a substância e a depositou sobre a cama foliar que cobria o solo, prendendo insetos, folhas e animais maiores.

A resina resistiu à ação dos elementos e, também, dos microorganismos encarregados de degradá-la. Sua firmeza, somada às características particulares da superfície sobre a qual foi encontrada - solos argilosos ou de areia capazes de criar depósitos de ar livre - deu origem ao fato de que gradualmente se tornaria enterrada e formaria costuras de tamanho variável.

Entre trinta mil e um milhão de anos após o início do processo, o primeiro produto da transformação das resinas começou a aparecer: copal, um material semi-fossilizado, de certa dureza se comparado com a substância da qual se origina, apreciado sobretudo pelo aroma que emite quando submetido à chama. A pressão e o calor da Terra atuaram continuamente sobre a resina e, vários milhões de anos depois, uma nova transformação ocorreu, resultando no aparecimento do âmbar, uma gema ou pedra de origem vegetal, ou seja, orgânica.

A extração do âmbar é feita através de cavernas. Dentro de uma região onde há evidências da existência do âmbar - já que ele pertence ao mesmo estrato geológico que os depósitos conhecidos -, os mineiros limpam a terra e localizam, praticamente na superfície, camadas de carvão contendo âmbar. Esse é o sinal.

A partir daí, tudo consistirá em cavar e ir para a colina que contém a veia âmbar. O mineiro ilumina a caverna ao redor em busca da veia do âmbar e, quando a encontrar, tentará obter peças do maior tamanho possível, que depois venderá aos artesãos, com ou sem a intervenção de intermediários.

"O mineiro costumava trabalhar um dia de oito horas. O produto por semana era de 250 gramas de âmbar cru, um quilo por mês. A exploração era assim, manual, com um cinzel e um martelo, não havia luz, eles tinham que usar velas, um carrinho de pedreiro que fizeram - de madeira - para puxar os escombros e jogá-los fora". - Museu Amber. Bibiano Luna Castro, diretor.

A âmbar é minerada em Chiapas desde os tempos pré-hispânicos. Sabe-se, por exemplo, que os maias a utilizaram na fabricação de jóias e que, posteriormente, houve um comércio ativo entre o planalto central e a área maia, no qual a resina fossilizada ocupou um lugar de grande importância tanto como mercadoria quanto como parte da homenagem anual entregue a Tenochtitlan.

Durante os três séculos de existência da Nova Espanha, o âmbar foi usado para fazer rosários e vários objetos de ornamentação, embora seu principal uso estivesse relacionado à fabricação de diferentes tipos de amuletos, usados tanto por espanhóis quanto por indígenas.

Até hoje, em um grande número de comunidades indígenas pertencentes às etnias zoque, tzotzil, tzeltal e tojolabal, o âmbar é atribuído com qualidades espirituais ou medicinais, o que lhe dá amplo uso na forma de pingentes, pingentes e pequenos objetos para usar ou pendurar. Não faltam grupos que, talvez conhecendo a relação entre copal e âmbar, sujeitam este último ao efeito das chamas, de modo a obter vapores aos quais são conferidas propriedades curativas.

O principal local de extração do âmbar é na área de Simojovel, a meio caminho entre San Cristobal de Las Casas e os limites de Chiapas com Tabasco. Ali, no meio das ravinas, a resina fóssil é exposta devido aos deslizamentos de terra que ocorrem com alguma freqüência. Estima-se que pelo menos dez comunidades do município são dedicadas ao âmbar, empregando entre seis e setecentas pessoas em cem minas, que possuem túneis de duzentos a duzentos metros de profundidade.

Os municípios vizinhos de Pantelhó, Huitiupán, Pueblo Nuevo Solistahuacán e Totolapa também possuem depósitos de âmbar, embora de menor tamanho. Segundo alguns estudos, os estratos geológicos que contêm o âmbar chegam até Palenque, no lado norte, e San Cristóbal de Las Casas, no lado sul. A magnitude dos depósitos, embora não comprovada, deve ser suficiente para atender à demanda que surgirá nos próximos anos.

A produção de âmbar em Chiapas não parou ao longo dos séculos. Seu mercado constante tem sido, por um lado, as comunidades indígenas; por outro, as pessoas cujos gostos as levam a apreciar o artesanato mexicano tradicional. Como os cânones ditaram, o âmbar extraído das minas foi levado aos artesãos, que selecionaram cuidadosamente os fragmentos que lhes seriam úteis, de acordo com uma ampla gama de desenhos, e procederam a esculpí-los com um arquivo, tendo o cuidado especial de desperdiçar o mínimo possível.

Uma vez obtida a peça desejada, ela foi polida e incorporada em colares, pulseiras ou brincos. Se fosse uma peça ligeiramente maior de âmbar, poderia ser esculpida em uma boquilha, uma moldura, um cano ou algum outro ornamento. O pó que era liberado do âmbar quando era polido era vendido para as comunidades onde era usado como remédio, enquanto as sobras eram jogadas fora. O artesão levaria então seu trabalho para a praça e o venderia por conta própria, ou se associaria a algum comerciante e o enviaria para lugares mais distantes, como a Cidade do México.

"O âmbar é extraído de cavernas. As cavernas são feitas e chamadas minas, é assim que são conhecidas, mas não é uma mina formal porque você segue a veia: se você encontrar outras veias nos lados, você também faz buracos. O âmbar é obtido de forma rudimentar, com equipamentos igualmente rudimentares: a picareta, a pá, o cinzel e o marrom". - Conselho Regulatório de Âmbar.

Neste sentido, uma série de fatores interessantes influenciou para que, na segunda metade do século XX, a demanda de âmbar em Chiapas aumentasse. Primeiro, a melhoria da rede rodoviária, que de alguma forma permitiu que os comerciantes de qualquer produto - inclusive artesanato - se deslocassem melhor em todo o território nacional e colocassem em contato com seus produtos a um maior número de consumidores.

Segundo, o desenvolvimento gradual de produtos ligados ao turismo e o uso do tempo livre, que colocam um grande número de lugares na mira dos veraneantes. Assim, as praias, inicialmente promovidas como destinos turísticos por excelência, foram seguidas por cidades coloniais e, mais tarde, por cidades de aventura e pelos chamados destinos culturais. Entre estes, os locais onde o artesanato era produzido e comercializado ganharam importância incomum, o que impulsionou a demanda por objetos feitos de materiais nativos, como era o caso do âmbar.

O interesse das pessoas pelos objetos âmbar levou os artesãos a criar figuras mais ousadas. Onde antes só se faziam pequenos objetos, entalhes de bom tamanho apareciam na forma de animais, deidades pré-hispânicas e seres fantásticos. Os ourives multiplicaram seus esforços para colocar peças de âmbar contendo inclusões importantes - ou seja, plantas ou insetos encapsulados na resina desde os tempos pré-históricos - em criações de jóias excepcionais.

Como resultado, o preço do artesanato de âmbar, já elevado devido ao trabalho associado com a criação das peças - juntamente com a própria raridade do âmbar -, aumentou ainda mais. Foi então quando, na área âmbar, mas principalmente nos centros turísticos da região, como San Cristóbal de Las Casas, começaram a aparecer peças de valor reduzido. Em qualquer rua e em qualquer praça, os turistas encontraram indivíduos que os venderam trabalhos de âmbar com um valor muito inferior ao dos estabelecimentos dos artesãos. Sem hesitação, eles comprariam. Só mais tarde eles souberam que tinham sido enganados: o chamado âmbar não era nada além de plástico ou vidro.

A proliferação de peças fingindo ser âmbar foi uma das razões que levou o Secretário de Desenvolvimento Econômico do governo de Chiapas a solicitar, em fevereiro e junho de 2000, uma declaração de origem, para proteger o âmbar de qualquer tipo de concorrência desleal. Em novembro do mesmo ano, o Instituto Mexicano de Propriedade Industrial emitiu a declaração de proteção da denominação de origem "Âmbar de Chiapas" para o material extraído em qualquer canto do Estado.

Da mesma forma, foi estabelecido que não só a resina fossilizada - isto é, o âmbar em seu estado natural - poderia ser chamada de âmbar, mas também os produtos obtidos a partir dela, independentemente de seu tamanho ou do uso dado a eles. Dadas as numerosas variedades de âmbar, foi mencionado que os detalhes relacionados com a identificação da matéria-prima e os procedimentos para realizar seu uso teriam que ser definidos na norma oficial correspondente.

Em dezembro de 2001, a Secretaria de Economia emitiu a minuta da Norma Oficial 152, correspondente ao âmbar, e deu um prazo relevante para a apresentação de comentários sobre ela. Quando estas não ocorreram, em agosto de 2003, a Norma Oficial Mexicana NOM-152- SCFI-2003, "Âmbar de Chiapas". Especificações e métodos de teste" foi publicado no Diário Oficial da Federação.

Ele descreveu o âmbar - a resina fóssil -, em que cores pode ser encontrada - desde quase transparente até café, passando pelo verde e diferentes tons de marrom ou vermelho -, quais são suas propriedades físicas e como pode ser trabalhada, o que inclui os diferentes processos de lixamento, entalhe e fixação. A norma também determina como as peças âmbar devem ser rotuladas e torna obrigatório, neste caso para os mineiros, implementar métodos mais adequados para a extração da resina fossilizada, bem como ter sistemas confiáveis de controle de qualidade.

Em 2013, um novo jogador entrou em cena: o comprador internacional. Gradualmente, industriais da China, Coréia, Estados Unidos e, em menor escala, de outras regiões do mundo, passaram a se interessar pelo âmbar de Chiapas. Todos eles estavam conscientes da aceitação nos mercados mundiais das resinas fossilizadas obtidas na Europa - o famoso âmbar báltico - ou na República Dominicana. A pureza do âmbar mexicano, considerado entre os melhores do mundo, juntamente com sua variedade de cores e a enorme quantidade de peças com inclusões que foram possíveis de adquirir, os encorajou a investir seu capital, primeiro com cautela e depois com coragem.

A entrada de capital estrangeiro impulsionou a extração do âmbar, o que permitiu aos proprietários das minas contratar trabalhadores que não só poupariam a fadiga e os perigos associados à extração do âmbar, mas também lhes permitiriam aumentar significativamente o horário de trabalho. Mais trabalho, realizado com melhores ferramentas - furadeiras pneumáticas substituíram martelos e cinzéis tradicionais -, somado à inserção de outros elementos modernos na exploração das minas - luz elétrica, por exemplo - resultou em maior produção e, logicamente, em um maior fluxo de dinheiro.

Além de seu valor comercial, a pesquisa sobre o âmbar se intensificou recentemente. O Centro de Pesquisa Ótica, sediado em Leon, Guanajuato, está realizando estudos que, por um lado, analisam suas propriedades fluorescentes e os usos médicos que pode ter; por outro, está estudando como reflorestar o terreno em que estão localizadas as minas.

Finalmente, está sendo procurado o método apropriado para criar resina vegetal ou âmbar sintético - um processo que talvez possa ser equiparado ao que dá origem à zircônia e pérolas cultivadas - em um laboratório, o que atenuaria a pressão da demanda sobre as veias existentes e assim prolongaria sua vida útil.

Enquanto isso, as inserções animais ou vegetais, que geralmente são consideradas apenas de um ponto de vista comercial, ao aumentar o valor comercial de um fragmento de âmbar são, ao mesmo tempo, amostras inestimáveis para o estudo do passado remoto. O exame dos pedaços de âmbar permitiu a descoberta e classificação de centenas de espécies já extintas, típicas do Mesozóico e da era do gelo, o que ajuda os paleontólogos a ter uma idéia dos mecanismos evolutivos.

O âmbar resultante dos processos de compactação e fossilização é, como regra, um emissário do passado. Não é apenas uma mercadoria valiosa ou um agente de mudança para as comunidades que a exploram: é um objeto imbatível para entender como era nosso planeta milhões de anos atrás. Chegou a hora de materializar. O tempo se transformou em arte.

"Os primeiros mineiros usavam velas, mas à medida que o tipo de trabalho evoluía, eles agora usam lanternas. A tradição diz que os primeiros mineiros usavam a vela como oferta: às quintas-feiras carregavam aquelas famosas velas, o número 15, como eram chamadas, carregavam dez, doze, e incenso. Eles faziam isso às quintas-feiras, era uma tradição, como uma oferta. E a vela normal é a que eles levaram para o trabalho".