Adolf Hitler e os segredos vergonhosos da sua juventude contados pelo seu único amigo

A partir de uma idade jovem Adolf Hitler foi um especialista em oratória e persuasão, depois de ser rejeitado pela segunda vez na Academia de Belas Artes, ele passou a viver como um indigente.

Adolf Hitler falando no Reichstagssit. Foto O Grupo Grosby
Adolf Hitler falando no Reichstagssit. Foto O Grupo Grosby

Os anos passaram, milhares de livros foram escritos, filmes foram gravados, documentários que mostram todo o horror que se viveu nos campos de concentração nazis. A figura de Adolf Hitler foi estudada por psicólogos, sociólogos, políticos, todos com o objetivo de conhecer esse personagem e entender como ele veio a ser quem ordenou um dos maiores bárbaros da humanidade.

É difícil acreditar que em sua juventude ele tenha dormido nas ruas, vestido de sem-teto e comido o que eles deram em abrigos comunitários.

Graças aos escritos de August Kubizek, que era o único amigo de Hitler, um pouco mais é agora conhecido sobre a vida que ele tinha antes de se tornar o líder reconhecido do imperialismo nazista.

O livro de Kubizek "The Young Hitler I Met" conta a história da vida de Hitler, seu personagem e os fracassos que teve; para muitos, tornar conhecida essa etapa da vida do jovem Führer é uma forma de justificação porque ignorar sua infância ajudaria a tirar sua humanidade completamente.

Agosto e Adolf encontraram-se, segundo o primeiro, "por volta da festa de Todos os Santos em 1904". Embora esta data tenha sido posteriormente descrita como falsa por alguns historiadores. Kubizek teve a oportunidade de conhecer Hitler porque ambos partilhavam um amor pela arte, o vínculo era tão forte que durante quatro anos partilharam a amizade e durante alguns meses a renda e a pobreza que os inundou em Viena.

Apesar de ser pobre e não ter nada para comer, Hitler parecia um jovem de uma boa família, de acordo com a definição de seu amigo:

"Ele era um jovem curiosamente pálido, magro, da mesma idade que eu, que acompanhou a performance com olhos brilhantes. Não havia dúvida de que ele era de uma casa abastada, pois estava sempre bem vestido e muito reservado. Em uma das representações entramos em conversação em uma das intermissões. Fiquei espantado com a compreensão confiante e rápida do meu interlocutor. Não havia dúvida de que ele era superior a mim a este respeito. Pelo contrário, ele reconheceu minha superioridade quando a conversa dizia respeito a assuntos meramente musicais [...] A partir daquele dia, conhecemos cada performance de ópera", escreveu Kubizek.

Narcisismo?

O jovem Hitler não gostava de ser retratado, então agora não há muitas fotos de sua juventude.

Adolf Hitler em bebé, foto tirada por J.F. Klinger de Brauna, Áustria, 1890. Foto O Grupo Grosby
Adolf Hitler em bebé, foto tirada por J.F. Klinger de Brauna, Áustria, 1890. Foto O Grupo Grosby

"O meu amigo nunca sentiu, tanto quanto me lembro, a necessidade de se fazer representar. Ele era tudo menos presunçoso. Embora ele se preocupasse muito consigo mesmo, ele não era presunçoso no sentido comum da palavra. Atrevo-me a dizer que ser presunçoso era muito pouco para ele. Ele era demasiado inteligente para isso", diz a peça.

Ele também afirma que era um jovem solitário e marginalizado. De acordo com Kubizek, seu amigo não tinha interesse em mulheres jovens ou sexo, sempre evitava o contato físico e se opunha a "qualquer coisa a ver com o corpo humano", mas tinha certeza de que suas fracas habilidades fariam dele um artista reconhecido ou um arquiteto de sucesso que trabalharia para o grande Reich alemão.

Em 1907, quando se mudou para Viena, levou uma vida boémia. Viveu num apartamento minúsculo e degradado, que só pôde pagar graças à pensão que recebeu após a morte dos seus pais. Ele também conseguiu vender algumas de suas pinturas para lojas de móveis a preços muito baixos. Além disso, Kubizek viveu com ele de fevereiro a julho de 1908 e o ajudou a pagar metade do aluguel.

Durante este tempo, visitava frequentemente os cafés até tarde da noite e dormia pouco. Nesse momento, o escritor percebeu que o jovem Hitler era muito propenso à raiva e que era impossível discordar dele quando ele apresentava suas opiniões.

Seu caráter e sua saúde não se adaptavam inteiramente, pois quase sempre adoecia e seus pulmões eram delicados: "Sua saúde era pior do que ele desejava e freqüentemente lamentava por isso. Tinha de se proteger do clima nebuloso e húmido do Linz durante os meses de Inverno. Em suma, ele estava fraco nos pulmões.

Quanto ao seu físico, acrescenta: "Ele era de altura média e esbelto, naquela época já um pouco mais alto que sua mãe. A sua constituição não era de modo algum a de um homem forte, mas sim magra e frágil. (...) O nariz, muito regular e bem proporcionado. A testa, clara e livre, ligeiramente inclinada para trás. Eu sabia mal que, naquela época, ele tinha o hábito de pentear o cabelo muito para a testa.

Hitler, o jovem medíocre

Ele era um excelente orador desde jovem, tinha o poder de persuasão e expressividade severa ao conversar, sua voz era profunda e sonora.

"Escutei-o de bom grado quando ele falou. A língua dele foi muito escolhida. Ele recusou o dialeto, especialmente o vienense, que era adverso para ele por causa de seu tom suave. Não há dúvida de que meu amigo Adolf foi, desde jovem, um homem de fácil oratória. E ele sabia, falava à vontade e sem interrupção. (...) Ele gostava de provar seu poder de persuasão em mim e em outras pessoas", descreve seu amigo.

O ditador alemão, Adolf Hitler. As atrocidades cometidas por um dos médicos simpatizantes do seu regime voltaram à luz. Foto/ Arquivo AFP
O ditador alemão, Adolf Hitler. As atrocidades cometidas por um dos médicos simpatizantes do seu regime voltaram à luz. Foto/ Arquivo AFP

Hitler era tal pessoa que geralmente ignorava os comentários de outras pessoas porque eles pensavam que não eram importantes, e seu amigo Kubizek experimentou isso mais de uma vez.

"A maior parte do tempo ele não respondeu ao que eu lhe tinha pedido e simplesmente me interrompeu com um gesto muito significativo de sua mão. Mais tarde, habituei-me e já não achava ridículo que aquele rapaz de dezasseis ou dezassete anos desenvolvesse projectos gigantescos e me explicasse em pormenor.

Kubizek diz que seu amigo tinha um caráter maníaco e o primeiro sinal disso era preocupação com sua aparência, pois ele estava obcecado por estar bem vestido, mesmo que mal tivesse dinheiro para comer.

Por exemplo, ele tinha o hábito de colocar suas calças passadas no mesmo lugar dia após dia para evitar rugas, ele gostava de parecer um burguês.

A sorte do jovem Führer mudou em 1907, quando ele apresentou seus desenhos na Academia de Belas Artes e foi rejeitado.

"Ele estava tão convencido de que iria ter sucesso que, no momento de receber a rejeição, o atingiu como um relâmpago vindo do nada", diz Kubizak.

Em julho daquele ano, ele tentou novamente e foi rejeitado novamente, enquanto Kubizek foi admitido. Isso, certamente, foi um golpe para o seu orgulho e ego... o jovem Hitler foi humilhado.

"Quase sem dinheiro e envergonhado pelo seu segundo e humilhante fracasso na academia, ele não queria ver Kubizek novamente. Ele deu o aviso, pagou sua parte do aluguel e, enquanto seu amigo ainda estava em Linz, simplesmente desapareceu sem deixar nenhum endereço de contato.

O tempo que se seguiu a este resultado foi talvez o pior que o ditador nazi teve porque ficou sem pensão para os seus pais mortos e começou a viver como um vagabundo.

"Durante meses ele residiu nas ruas, dormiu em parques e cafés que abriram a noite toda, sob pontes, nas entradas de edifícios, e às vezes encontrou refúgio em abrigos para sem-teto e em pensões ruins.

Esta má fase terminou em 1910, quando ele se estabeleceu em uma casa comunal financiada pelos judeus e lá ele começou sua jornada para a Chancelaria.

Adolf Hitler depois de se suicidar. Foto O Grupo Grosby
Adolf Hitler depois de se suicidar. Foto O Grupo Grosby

Publicações recomendadas